Meteorologia

  • 21 NOVEMBRO 2018
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 13º

Edição

Manifestações e contra-manifestações ameaçam paralisar Dresden no domingo

Manifestações e contra-manifestações, umas xenófobas e outras anti-racistas, ameaçam paralisar a cidade alemã de Dresden, no domingo, vigiadas por um forte dispositivo policial que teme confrontos violentos.

Manifestações e contra-manifestações ameaçam paralisar Dresden no domingo
Notícias ao Minuto

14:39 - 19/10/18 por Lusa

Mundo Alemanha

O movimento Pegida (sigla em alemão para "Patriotas Europeus contra a Islamização do Ocidente") comemora o seu quarto aniversário, na tarde de domingo, anunciando reunir vários milhares de apoiantes anti-islâmicos numa das maiores praças de Dresden.

Esta celebração do movimento terá no mesmo dia uma resposta de vários grupos anti-racistas e anti-xenófobos, que prometem uma resposta ruidosa contra o Pegida, e onde o primeiro-minstro da Saxónia, Michael Krestschmer, quer participar com uma mensagem "a favor de uma cidade solidária e inclusiva".

"Coração em vez de ódio" é o nome de uma das três contra-manifestações que querem contrariar as comemorações do Pegida, com mensagens de solidariedade e com discursos anti-racistas.

Estas manifestações deverão mobilizar muitos milhares de pessoas para as ruas de Dresden, obrigando as autoridades policiais de Dresden a preparar um forte dispositivo de segurança, temendo confrontos violentos.

"É um bom sinal que uma ampla coligação de cidadãos anti-racistas e anti-xenófobos, defensores da Constituição e da liberdade, se esteja a preparar para manifestações no domingo", disse, à estação de rádio MDR, Dirk Hilbert, dirigente do Partido Democrático Alemão (PDF), numa entrevista a um jornal alemão que se solidariza com os protestos contra o racismo.

Do lado do movimento Pegida, esperam-se discursos de alguns dos seus mais mediáticos dirigentes, bem como de convidados especiais de movimentos extremistas de vários países que se juntam a este grupo assumidamente que se opõe à imigração de muçulmanos na Alemanha e que tem assumido posições eurocéticas, racistas e xenófobas.

"A Espanha está a enviar para a Baviera muitos dos refugiados que resgata do Mediterrâneo" lia-se num cartaz exibido pelo Pegida numa recente manifestação em Munique, que preparava já as celebrações do quarto aniversário.

Alguns dos oradores de domingo do Pegida estão a ser investigados pelo Ministério Público alemão que, nos quatro anos de vida do movimento, abriu 198 investigações contra os seus membros, essencialmente por suspeitas de atos de violência contra pessoas, incluindo numerosos jornalistas.

O Centro Europeu para a Liberdade de Imprensa divulgou recentemente um relatório acusando o Pegida de estar por detrás de ataques físicos a mais de uma dezena de jornalistas alemães, nos últimos quatro anos.

Nos últimos meses, o Pegida tem vindo a radicalizar o seu discurso e a tornar mais violentas as suas ações.

"O Pegida começou por ser um movimento de pessoas insatisfeitas com a política e com a cobertura mediática do tema das migrações; mas tornou-se num movimento anti-islamita com uma linguagem radical e, agora, com eco em alguns partidos extremistas", explicava Hans Vorlander, um cientista político de Dresden, numa entrevista à televisão RTL.

As autoridades alemãs já chegaram a proibir algumas manifestações do Pegida, nos últimos anos, invocando falta de condições de segurança, e, para domingo, destacou um forte contingente de polícias e determinou o encerramento de várias ruas e avenidas.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório