Meteorologia

  • 18 NOVEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 15º

Edição

"Conselho Europeu reafirmou orientações prejudiciais para Portugal"

O eurodeputado comunista João Ferreira lamentou hoje que o Conselho Europeu tenha insistido em "orientações prejudiciais para Portugal" e para o resto da Europa em relação à zona euro, 'Brexit' e migrações.

"Conselho Europeu reafirmou orientações prejudiciais para Portugal"
Notícias ao Minuto

19:44 - 18/10/18 por Lusa

Mundo PCP

"O Conselho Europeu reafirmou um conjunto de orientações e medidas prejudiciais para Portugal, para os interesses dos trabalhadores e povo portugueses e demais povos da Europa", disse à Lusa João Ferreira, ao comentar a reunião de chefes de Estado e de Governo que terminou hoje em Bruxelas.

O também dirigente do PCP afirmou que, "em relação à cimeira do euro, insiste num aprofundamento da união económica e monetária, a pretexto do qual se procura reforçar todo um conjunto de constrangimentos e imposições que limitam a possibilidade de afirmação de projetos de desenvolvimento soberano assentes no progresso social".

"Em relação às negociações sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, regista-se um novo impasse sendo que a complexidade das negociações, que não se nega, tem sido permanentemente instrumentalizada e manipulada para limitar o alcance e mesmo subverter a decisão tomada de forma soberana pelo povo do Reino Unido", continuou, frisando ser "essencial que os direitos dos trabalhadores migrantes, nomeadamente os portugueses a trabalhar e a residir no Reino Unido, sejam respeitados em qualquer circunstância".

Sobre o problema dos migrantes, João Ferreira criticou o Conselho Europeu porque "aprofundou a linha da militarização e securitização da questão das migrações, na mesma linha da visão xenófoba e racista do fenómeno migratório que já vinha sendo evidenciada em Conselhos Europeus anteriores".

"Agora, a pretexto da questão migratória, é associado aquilo que podemos designar como um assalto de recorte claramente neocolonial ao continente africano, já despido da retórica da cooperação para o desenvolvimento. Aquilo que se prepara é um assalto dos grandes grupos económicos e das multinacionais europeus, por via da imposição de acordos de livre comércio e investimento, todos orientados para o seu interesse e não dos povos do continente africano e seus países", anteviu.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório