Meteorologia

  • 16 NOVEMBRO 2018
Tempo
11º
MIN 11º MÁX 12º

Edição

"Matérias tóxicas" encontradas no consulado saudita em Istambul

Os investigadores turcos encontraram vestígios de "matérias tóxicas" no consulado da Arábia Saudita em Istambul, onde desapareceu o jornalista saudita Jamal Khashoggi, refere hoje a imprensa da Turquia.

"Matérias tóxicas" encontradas no consulado saudita em Istambul
Notícias ao Minuto

14:43 - 16/10/18 por Lusa

Mundo Jamal Khashoggi

Os meios de comunicação social citam o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, que falou hoje com um grupo de jornalistas a quem disse, segundo as notícias, que foram encontradas "matérias tóxicas" no consulado saudita em Istambul.

O tipo de vestígios alegadamente encontrados não foi especificado.

As autoridades turcas acreditam que Khashoggi foi morto, tendo o cadáver sido esquartejado, no interior do consulado e transportado de avião para a Arábia Saudita.

Médicos legistas acompanhados de técnicos de medicina forense estiveram hoje no edifício do consulado onde procederam à recolha de eventuais vestígios do alegado assassinato.

De acordo com fontes sauditas, a residência do cônsul, a pouco mais de dois quilómetros do consulado, vai também ser alvo de buscas por parte das autoridades policiais turcas.

Hoje, o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, encontra-se reunido em Riade com o rei Salman da Arábia Saudita para falar sobre o desaparecimento do jornalista.

Jamal Khashoggi desapareceu no dia 2 de outubro depois de ter entrado no consulado saudita em Istambul onde pretendia obter um documento para poder casar-se com uma cidadã turca.

De acordo com uma notícia difundida hoje pela estação de televisão CNN, os sauditas devem admitir que o crime ocorreu, mas vão negar que o rei ou o príncipe tenham ordenado o assassinato.

O jornal New York Times noticiou que o Tribunal Real Saudita deve sugerir que um responsável dos serviços secretos de Riade -- amigo do príncipe Mohammed - levou a cabo o crime.

Segundo o New York Times, o príncipe aprovou o interrogatório e a transferência de Khashoggi para a Arábia Saudita, mas que os operacionais foram "tragicamente incompetentes".

Ambas as notícias, da CNN e do New York Times, citam fontes anónimas "próximas dos responsáveis" pela operação na Turquia no passado dia 2 de outubro.

Khashoggi escreveu várias vezes no Washington Post textos em que criticou abertamente o envolvimento da Arábia Saudita no conflito do Iémen, o recente conflito diplomático com o Canadá e a prisão de mulheres sauditas, ativistas de direitos humanos, mesmo depois de ter sido decretada o direito às mulheres sobre a condução de automóveis.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório