Meteorologia

  • 21 OUTUBRO 2018
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 16º

Edição

Presidente do Irão faz acusa indiretamente separatistas árabes por ataque

O Presidente do Irão, Hassan Rouhani, acusou hoje separatistas árabes apoiados por um país "da margem sul do Golfo Pérsico" de estarem por detrás do atentado que fez pelo menos 29 mortos em Ahvaz, no sudoeste do Irão.

Presidente do Irão faz acusa indiretamente separatistas árabes por ataque
Notícias ao Minuto

09:28 - 23/09/18 por Lusa

Mundo Hassan Rohani

"Não temos dúvidas sobre a identidade daqueles que fizeram isto, sobre o seu grupo e sua filiação", disse Rouhani à televisão estatal antes de partir para Nova Iorque, onde vai participar na Assembleia Geral das Nações Unidas.

Durante a guerra entre o Iraque e o Irão (1980-1988), "aqueles que causaram esta catástrofe (de sábado) (...) apoiaram os agressores e cometeram crimes", acrescentou Rouhani.

"Enquanto (o antigo Presidente iraquiano) Saddam (Hussein) estava vivo, eles eram os seus mercenários. Em seguida, mudaram de mestres e um dos países da margem sul do Golfo Pérsico" foi responsável por apoiá-los, afirmou o Presidente iraniano, sem nomear nenhum país.

"Todos esses pequenos países mercenários que vemos na região são apoiados pelos Estados Unidos. São encorajados pelos norte-americanos", acrescentou Rouhani.

O grupo jihadista Estado Islâmico (EI) reivindicou a responsabilidade pelo ataque a Ahvaz, mas as autoridades iranianas não parecem levar a sério esta reivindicação.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros do Irão anunciou no sábado à noite que convocou diplomatas da Dinamarca, da Grã-Bretanha e da Holanda em Teerão para expressar "o forte protesto do Irão contra o facto de que os seus respetivos países abrigarem alguns membros do grupo terrorista que perpetraram o ataque em Ahvaz.

A Frente Popular e Democrática dos Árabes de Ahvaz reivindicou também o atentado a partir de um canal por satélite, Iran International, baseado em Londres.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros iraniano disse que insistiu junto do ministério homólogo britânico que é "inaceitável que o porta-voz (deste grupo separatista) seja autorizado a reivindicar este ato terrorista numa estação de televisão em Londres".

Teerão também criticou Copenhaga e Haia por serem complacentes como grupo, acusando os dois países europeus de acolherem alguns dos seus membros no seu território

"Esses terroristas comportam-se exatamente como EI", afirmou a chancelaria iraniana, acusando a Europa de falta de empatia com o Irão quando é tocada por ataques.

Ja no sábado, Ramezan Sharif, porta-voz da Guarda Revolucionária Iraniana, acusou os atacantes de estarem ligados a um grupo separatista árabe apoiado pela Arábia Saudita.

De acordo com o mais recente balanço oficial, 29 pessoas foram mortas em Ahvaz, no sábado, por um comando de quatro homens que abriram fogo contra a multidão que assistia a um desfile militar.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, também transmitiu as suas condolências aos iranianos afetados pelo ataque em Ahvaz.

Num comunicado, divulgado no sábado pela ONU, Guterres "condenou o ataque de hoje (sábado) na cidade no sudoeste do Irão de Ahvaz".

A nota acrescentou que Guterres "expressou as suas condolências às famílias das vítimas, ao Governo e ao povo do Irão", também desejando que "todos os feridos recuperem rapidamente".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório