Meteorologia

  • 22 SETEMBRO 2018
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 19º

Edição

Guerra comercial China/EUA pode bipolarizar a cena internacional

Analistas alertam para uma possível bipolarização gerada pela guerra comercial entre Pequim e Washington, à medida que os EUA procuram uma aliança com a Europa e o Japão para contrariar as ambições chinesas no setor tecnológico.

Guerra comercial China/EUA pode bipolarizar a cena internacional
Notícias ao Minuto

08:23 - 15/09/18 por Lusa

Mundo Analistas

O jornal Financial Times avançou que o secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, quer reunir-se com o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, numa altura em que Washington prepara taxas alfandegárias sobre um total de 200 mil milhões de dólares (172 mil milhões de euros) de importações oriundas do país asiático.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, impôs já taxas de 25% sobre 50 mil milhões de dólares (43 mil milhões de euros), e Pequim retaliou com impostos sobre o mesmo montante de bens importados dos EUA.

No entanto, em entrevista à agência Lusa, Gao Zhikai, um dos mais conhecidos comentadores da televisão chinesa, lembra que, para "um país como a China", ceder às exigências de Trump "não é uma opção".

"A China não está para receber lições dos EUA", diz. "Se a Casa Branca está à espera que a China sucumba, se ajoelhe, está a ser totalmente irrealista".

Em causa está a política de Pequim para o setor tecnológico, nomeadamente o plano "Made in China 2025", que visa transformar o país numa potência tecnológica, com capacidades em setores de alto valor agregado, como inteligência artificial, energia renovável, robótica e carros elétricos.

Os EUA consideram que aquele plano, impulsionado pelo Estado chinês, viola os compromissos da China em abrir o seu mercado, nomeadamente ao forçar empresas estrangeiras a transferirem tecnologia e ao atribuir subsídios às empresas domésticas, enquanto as protege da competição externa.

Antigo intérprete de Deng Xiaoping, formado em língua inglesa e com um mestrado em Ciências Políticas na Universidade de Yale, Gao Zhikai admite que a guerra comercial instalada é "algo sem precedentes", mas "não é aquilo que a China quer".

"Os EUA, basicamente, impuseram-nos isto", diz.

Mas as queixas de Washington são também partilhadas pela União Europeia e o Japão, que ficam com a maior margem de lucro na cadeia de distribuição global - a China fabrica 90% dos telemóveis e 80% dos computadores do mundo, por exemplo, mas continua dependente de tecnologia e componentes oriundos daqueles países.

Após um período em que Trump confrontou todos os seus principais parceiros comerciais, têm agora surgido sinais de apaziguamento e até de uma possível aliança entre as diferentes partes, visando impedir a China de quebrar com o 'status quo'.

Em dezembro passado, o representante do Comércio norte-americano, Robert Lighthizer, reuniu-se com os homólogos da União Europeia e do Japão, para discutir estratégias comuns no combate a "práticas comerciais injustas" por "terceiros países" através de "vastos subsídios, que distorcem a livre concorrência, e grandes grupos estatais, que forçam a transferência de tecnologia".

Em julho passado, durante a cimeira China - UE, as autoridades europeias defenderam que "há melhores formas de lidar com os problemas" do que a estratégia seguida por Trump, mas que Bruxelas "partilha das mesmas preocupações que os EUA" sobre a falta de acesso a vários setores da economia chinesa.

Citado pelo jornal Financial Times, Eswar Prasad, antigo diretor do Fundo Monetário Internacional para a China, considera que um possível ataque coordenado ao modelo chinês de "capitalismo de Estado", deixa Pequim "muito ansioso".

Em reação, as autoridades chinesas têm procurado o apoio dos seus aliados tradicionais, nomeadamente a Rússia.

Esta semana, o Presidente chinês, Xi Jinping, e o seu homólogo russo prometeram trabalhar em conjunto para enfrentarem o protecionismo, unilateralismo e "ações económicas hostis", numa referência a Trump.

"O risco de a China e os EUA entrarem numa nova guerra fria está a aumentar", admite Tu Xinquan, professor na Universidade de Economia e Negócios Internacionais de Pequim.

Uma renovada bipolarização na cena internacional preocupará também uma classe média chinesa habituada a viajar, consumir e estudar no ocidente.

"Receamos que a China se volte a isolar", comenta à Lusa uma jornalista chinesa. "Seria um retorno indesejado".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório