Meteorologia

  • 15 OUTUBRO 2018
Tempo
17º
MIN 17º MÁX 17º

Edição

França diz que assalto a Idlib ameaçará segurança da Europa

O ministro francês dos Negócios Estrangeiros, Jean-Yves Le Drian, advertiu hoje que um assalto do regime sírio na província de Idlib terá consequências diretas para a segurança da Europa, devido ao risco de dispersão de milhares de 'jihadistas' concentrados nessa região.

França diz que assalto a Idlib ameaçará segurança da Europa
Notícias ao Minuto

19:19 - 11/09/18 por Lusa

Mundo Jean-Yves Le Drian

"Existe um risco securitário na medida em que nessa zona se encontram muitos 'jihadistas', reivindicando-se sobretudo da Al-Qaida, que são entre 10.000 e 15.000 e que são riscos imediatos para a nossa segurança", disse em declarações à cadeia televisiva BFMTV, e calculando em "algumas dezenas" o número de franceses nas suas fileiras.

"Existe o risco de se dispersarem caso a ofensiva síria e russa for desencadeada nas condições que atualmente imaginamos", assinalou o chefe da diplomacia francesa.

Ao evocar o risco de catástrofe humanitária nesta zona onde se concentram três milhões de pessoas, Le Drian advertiu que o precedente de Alepo, outro bastião rebelde retomado pelo regime em dezembro de 2016, não seria "nada comparável em relação ao horror que isso pode agora representar".

O Conselho de Segurança reúne-se hoje para discutir de novo a situação na província síria de Idlib, onde a ONU receia a "pior catástrofe humanitária" do século, caso as forças governamentais ataquem o último grande bastião insurgente.

Jean-Yves Le Drian também manifestou inquietação pelo risco de ataques químicos em Idlib, e reiterou a "linha vermelha" francesa e a ameaça de novos ataques aéreos contra o regime caso seja confirmada a utilização de armas químicas.

"Parece existir uma espécie de preparação psicológica por parte de responsáveis russos sobre uma utilização da arma química que depois atribuiriam aos grupos terroristas", sugeriu.

Hoje, a Rússia reafirmou que os rebeldes sírios preparam uma encenação sobre um falso ataque químico perto de Idlib e que seria atribuído ao regime.

O ministro francês também preveniu a Rússia, ao considerar que tem mais a perder que a ganhar no caso de uma ofensiva.

"Se a Rússia renunciar aos seus compromissos de estabilização da zona de Idlib, assume também o risco de ficar totalmente isolada após um desastre do qual acarretará todas as consequências", disse.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório