Meteorologia

  • 22 AGOSTO 2018
Tempo
20º
MIN 19º MÁX 22º

Edição

Washington espera neonazis um ano após incidentes de Charlottesville

Centenas de simpatizantes neonazis são esperados este domingo em Washington, nas imediações da Casa Branca, para uma concentração que vai decorrer sob vigilância apertada, um ano após os violentos acontecimentos de Charlottesville.

Washington espera neonazis um ano após incidentes de Charlottesville
Notícias ao Minuto

19:41 - 12/08/18 por Lusa

Mundo EUA

A organização informal "Unite the Right", que esteve na origem da marcha de há um ano em Charlottesville (na Virgínia), obteve autorização para reunir 400 pessoas domingo a partir das 17h30 locais (22h30 em Lisboa) na Praça Lafayette, em Washington, durante apenas duas horas.

Foi montado um importante dispositivo policial, com a interdição de circular em várias ruas, principalmente para impedir o contacto entre manifestantes e contramanifestantes, esperados igualmente no mesmo local.

Ao início da tarde, os ativistas contra o racismo já estavam colocados em frente à Casa Branca, com cartazes em que se lia: "Não aos nazis, não ao Ku Klux Klan, não a uma América fascista".

"Dizem que a melhor estratégia é ignorar os supremacistas brancos, que lhes damos demasiada atenção. Pensamos, pelo contrário, que seria um enorme erro deixá-los desfilar pelas ruas da capital sem oposição", disse à AFP Kei Pritsker, 22 anos, uma voluntária de um grupo que luta contra o racismo.

Numa mensagem no seu 'site' a "Unite the Right", disse aos seus apoiantes que haveria "certamente provocadores para tentar suscitar uma reação".

"Não respondam com raiva", aconselharam os organizadores.

A manifestação coincide com o primeiro aniversário dos acontecimentos de Charlottesville, onde uma marcha para protestar contra a retirada da estátua do general confederado Robert E. Lee acabou em confrontos entre supremacistas brancos e manifestantes contra o racismo.

Uma mulher de 32 anos acabou por morrer atropelada por um carro conduzido por um simpatizante de extrema-direita e 19 pessoas ficaram feridas.

No sábado, o Presidente norte-americano, Donald Trump, disse que condena "todos os tipos de racismo e os atos violentos", depois de ter sido bastante criticado por nunca ter condenado claramente os manifestantes neonazis após os acontecimentos de agosto de 2017.

"A manifestação de Charlottesville, há um ano, levou à morte e a divisões sem sentido", escreveu Trump no sábado na rede social Twitter.

"Devemos unir-nos como nação", defendeu.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.