Meteorologia

  • 21 NOVEMBRO 2018
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 13º

Edição

Líder da UNITA lamenta que restos mortais de Savimbi "continuem presos"

O líder da UNITA lamentou que o Estado angolano continue a reter os restos mortais de Jonas Savimbi, morto em 2002, facto que Isaías Samakuva disse constituir "um testemunho gritante da política de exclusão entre irmãos".

Líder da UNITA lamenta que restos mortais de Savimbi "continuem presos"
Notícias ao Minuto

11:03 - 06/08/18 por Lusa

Mundo Óbito

Numa intervenção pública este fim-de-semana em Viana (20 quilómetros a leste de Luanda), destinada a assinalar que, se fosse vivo, Savimbi, primeiro presidente da União Nacional da Independência Total de Angola (UNITA), teria feito na sexta-feira 84 anos, Samakuva acrescentou que a atitude de Luanda "simboliza a necessidade imperativa da genuína reconciliação nacional".

"A prisão dos restos mortais do cofundador da República de Angola constitui um testemunho gritante da política de exclusão entre irmãos e simboliza a necessidade imperativa da genuína reconciliação nacional, que a República ainda luta contra si própria e que os angolanos ainda não são um só povo, uma só Nação", sublinhou Samakuva.

"Não há razão alguma para que o Estado angolano mantenha Jonas Malheiro Savimbi preso mesmo depois de morto. Porque é que os restos mortais de Jonas Savimbi foram capturados pelo Estado angolano? Porque é que se prende um morto", questionou.

Jonas Savimbi nasceu a 03 de agosto de 1934, no Munhango, a comuna fronteiriça entre as províncias do Bié e Moxico.

O Líder histórico da UNITA viria a ser morto em combate após uma perseguição das forças armadas angolanas a 22 de fevereiro de 2002 próximo de Lucusse, na província do Moxico, onde os seus restos mortais permanecem sepultados, à guarda do Estado angolano.

Para Samakuva, há que "ultrapassar" a situação e criar uma "nova atitude" perante a Pátria e perante o futuro, uma vez que, disse, uma "Angola unida e reconciliada será mais forte, mais legítima e mais rica".

Nesse sentido, o líder da UNITA apelou ao Presidente angolano, João Lourenço, para "capitalizar o momento histórico" e "potenciar as pontes de diálogo" para um novo pacto social "que conduza a uma efetiva reconciliação nacional".

"Hoje, 50 anos depois, não devemos nunca mais perder de vista o essencial. O essencial é reconhecermos que todos os povos tiveram as suas guerras fratricidas e que não há guerra que não destrua. O essencial é reconhecer que, em todas essas guerras de irmãos, em todos os conflitos de família, não há apenas um único culpado. Das nossas guerras e destruições, dos futuros mutilados e dos sonhos destruídos, culpados somos todos, responsáveis somos todos e vítimas somos todos", frisou.

Para Samakuva, a luta pela construção do país só será bem-sucedida se todos a fizerem com "patriotismo, sentido de nação plural e grandeza moral".

Segundo o responsável máximo da UNITA, "não há razão alguma que justifique" que os feitos históricos de Savimbi, reconhecidos pela África e pelo mundo, "não sejam reconhecidos formalmente pelo Estado angolano que ele próprio ajudou a erigir e do qual é cofundador".

"[Savimbi] foi um homem culto, abnegado e destemido, que marcou de forma decisiva e inapagável o curso da História política de Angola e da África Austral. Amado por muitos, odiado por outros, mas respeitado por todos, Savimbi deixou-nos um legado que devemos estudar", sublinhou.

"Honrar hoje a memória de Jonas Malheiro Savimbi significa estabelecer imediatamente as autarquias locais. Significa fiscalizar e auditar a dívida pública, reduzir a inflação, parar com os roubos e com a impunidade daqueles que utilizam o Estado para se governarem a si próprios", defendeu.

Para Samakuva, honrar Savimbi significa também "transformar radicalmente" os sistemas de educação, de saúde e nacional de segurança social, canalizar os investimentos produtivos para o interior do país, "parar o crescimento anárquico" de Luanda e promover a criação de cidades ecológicas, economicamente sustentáveis.

"O maior legado de Jonas Malheiro Savimbi é sem dúvida a conquista da nacionalidade angolana para todos os povos de Angola", concluiu.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório