Meteorologia

  • 15 JULHO 2018
Tempo
20º
MIN 19º MÁX 21º

Edição

Rússia condena jornalista ucraniano a 12 anos de prisão por espionagem

A justiça russa condenou hoje o jornalista ucraniano Roman Souchtchenko a 12 anos de detenção num campo em regime severo por espionagem, juntando-se a um crescente número de prisioneiros ucranianos da Rússia que Kiev define como "presos políticos".

Rússia condena jornalista ucraniano a 12 anos de prisão por espionagem
Notícias ao Minuto

16:54 - 04/06/18 por Lusa

Mundo Justiça

Roman Souchtchenko, 49 anos, que nega qualquer culpabilidade, declarou perante a sala de audiência do tribunal de Moscovo que vai recorrer da sentença, que definiu como "injusta".

Esta decisão surge no momento em que o jornalista russo-ucraniano Kyrylo Vychynski, preso em maio em Kiev, se prepara para comparecer em julgamento na Ucrânia por "alta traição".

Em paralelo, o realizador ucraniano Oleg Sentsov, detido na Rússia por "terrorismo", também decretou uma greve de fome para exigir a libertação de todos os "prisioneiros políticos" ucranianos sob detenção no país vizinho.

"Trata-se de um caso politicamente motivado. Exigimos a sua libertação", reagiu na rede social Twitter a porta-voz da diplomacia ucraniana Mariana Betsa, numa referência à condenação de Souchtchenko.

Marki Feiguine, o advogado de Souchtchenko, também classificou o processo como "político" e reconheceu que a única hipótese para o seu cliente será ser trocado pelo jornalista Kyrylo Vychynski, detido na Ucrânia.

"Apenas espero uma troca contra Vychynski. A Ucrânia pretende a troca", declarou.

O procurador pediu 14 anos de prisão contra Souchtchenko, jornalista da agência ucraniana Ukrinform e acusado por Moscovo de ser um coronel dos serviços de informações ucranianos.

Souchtchenko foi acusado de "reunir informações confidenciais sobre atividades das Forças armadas e da Guarda nacional russa", segundo elementos divulgados pelos serviços de segurança russos (FSB) após a sua detenção em 2016.

Por seu lado, a Ucrânia afirma que Souchtchenko é jornalista e correspondente em Paris da agência noticiosa Ukrinform, para quem trabalha desde 2002, e terá sido detido durante as suas férias em Moscovo.

"Souchtchenko é um jornalista e reunia informações unicamente no âmbito da sua profissão", garantiu o advogado Mark Feiguine, que acrescentou: "A condenação de um jornalista por espionagem é uma má tradição".

O Presidente ucraniano Petro Poroshenko também reagiu para denunciar na rede social Facebook "um cinismo sem precedente" da justiça russa que "prova que o regime do Kremlin não se deterá perante nada para quebrar o espírito ucraniano".

As tensões entre Moscovo e Kiev, na sequência da anexação da Crimeia em março de 2014 e o início do conflito no leste da Ucrânia, implicaram desde então um aumento das prisões de ucranianos na Rússia e de russos na Ucrânia, acusados de espionagem.

Em 2016 ocorreu uma troca de prisioneiros entre Moscovo e Kiev que envolveu dois presumíveis militares russos e a antiga piloto ucraniana Nadia Savtchenko, considerada uma heroína por Kiev, mas entretanto acusada de ter preparado um ataque contra o parlamento do seu país.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.