Meteorologia

  • 19 AGOSTO 2018
Tempo
22º
MIN 19º MÁX 26º

Edição

União Europeia admite aplicação de sanções à Venezuela

A União Europeia (UE) admitiu hoje a aplicação de sanções à Venezuela pelas numerosas irregularidades assinaladas na eleição presidencial de domingo, na qual Nicolás Maduro foi reconduzido como Presidente até 2013.

União Europeia admite aplicação de sanções à Venezuela
Notícias ao Minuto

19:49 - 22/05/18 por Lusa

Mundo Federica Mogherini

A Alta Representante da UE para Política Externa e Segurança, Federica Mogherini, referiu, em comunicado, que "a Venezuela precisa, com urgência, de uma solução política para colocar um fim à atual crise e, antes de tudo, para responder às necessidades humanitárias mais prementes da população".

A chefe da diplomacia da UE denunciou "os grandes obstáculos à participação dos partidos políticos da oposição e dos seus dirigentes".

"A UE reafirma que é necessário restabelecer o processo democrático", afirmou.

Hoje também, a Comissão Europeia lamentou que as eleições presidenciais na Venezuela tenham tido lugar sem que fosse acautelada a transparência e liberdade do ato eleitoral, e garantiu que continuará a seguir de perto os desenvolvimentos no país.

"A UE lamenta que não tenha havido um acordo sobre o calendário eleitoral e que o processo eleitoral não tenha garantido eleições transparentes e livres, o que exigia a participação de todos os partidos políticos em igualdade de circunstâncias e sem obstáculos", declarou hoje um porta-voz do executivo comunitário, Carlos Martín.

O mesmo porta-voz sublinhou que Federica Mogherini instou as autoridades venezuelanas a "criar as condições para eleições livres com base num calendário consensualizado e com a participação de todos os partidos", mas "infelizmente" essas reivindicações não foram atendidas.

Assegurando que a UE vai "naturalmente" continuar a trabalhar com vista a "uma solução democrática e pacífica para esta crise", o porta-voz da Comissão advertiu que a União Europeia "vai continuar a seguir de perto os desenvolvimentos" na Venezuela, juntamente com os seus parceiros, e não descarta "futuras ações à luz da evolução" dos acontecimentos.

De acordo com o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) da Venezuela, Nicolás Maduro venceu as eleições presidenciais antecipadas de domingo com 5.823.728 votos (67,7%).

O opositor Henri Falcon obteve 1.820.552 votos. O pastor evangélico Javier Bertucci 925.042 e o engenheiro Reinaldo Quijada 34.6714 votos, indicou o CNE.

De acordo com o CNE, foram registados 8.603.936 votos válidos, que correspondem a uma participação de 46% dos 20.527.571 eleitores inscritos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.