Meteorologia

  • 19 SETEMBRO 2018
Tempo
29º
MIN 26º MÁX 31º

Edição

Estudo mostra que falta emprego para 27,7 milhões de brasileiros

Um estudo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelou que falta emprego para 27,7 milhões de brasileiros, noticiou hoje a imprensa brasileira.

Estudo mostra que falta emprego para 27,7 milhões de brasileiros
Notícias ao Minuto

16:57 - 17/05/18 por Lusa

Mundo Trabalho

De acordo com o portal de notícias G1, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD) trimestral, divulgada hoje pelo IBGE, mostrou que a taxa de subutilização da força de trabalho ficou em 24,7% no 1.º trimestre de 2018, a maior da série histórica da PNAD, que foi iniciada em 2012.

O contingente de subutilizados também é o maior já registado pelo estudo.

O grupo de trabalhadores subutilizados reúne os desempregados, aqueles que estão subocupados (menos de 40 horas semanais trabalhadas) e os que fazem parte da força de trabalho potencial (não estão à procura de emprego por motivos diversos).

Segundo o estudo, há 13,7 milhões de desempregados (13,1%), pessoas que não trabalham, mas que estão a procurar emprego nos últimos 30 dias.

A investigação determinou também que existem 6,2 milhões de subocupados, ou seja, pessoas que trabalham menos de 40 horas por semana, mas gostariam de trabalhar mais.

Além desses dados, há outros 7,8 milhões de pessoas que poderiam trabalhar, mas não trabalham (força de trabalho potencial),sendo um grupo que inclui 4,6 milhões de 'desalentados' (que desistiram de procurar emprego) e outros 3,2 milhões de pessoas que podem trabalhar, mas que não têm disponibilidade por algum motivo, como mulheres que deixam o emprego para cuidar dos filhos.

No 4.º trimestre de 2017, a taxa de subutilização da força de trabalho no Brasil tinha ficado em 23,6%, reunindo 26,4 milhões de pessoas. Já a taxa média anual para 2017 ficou em 23,8%.

As maiores taxas de desocupação foram registadas nos estados do Amapá (21,5%), Baía (17,9%), Pernambuco (17,7%), Alagoas (17,7%) e Maranhão (15,6%). Já os menores índices estão em Santa Catarina (6,5%), Mato Grosso do Sul (8,4%), Rio Grande do Sul (8,5%) e Mato Grosso (9,3%).

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório