Meteorologia

  • 21 MAIO 2018
Tempo
21º
MIN 19º MÁX 23º

Edição

Ex-embaixador luso na Coreia confia mais em Kim do que em Trump

O ex-embaixador de Portugal na Coreia do Norte José Duarte de Jesus manifestou hoje mais confiança na política externa de Kim Jong-un do que na norte-americana e está convencido que negociar é melhor solução do que a via militar.

Ex-embaixador luso na Coreia confia mais em Kim do que em Trump
Notícias ao Minuto

06:51 - 17/05/18 por Lusa

Mundo José Duarte de Jesus

A propósito do lançamento do livro 'Coreia do Norte: a última dinastia Kim' (Edições 70)", que vai hoje para as bancas, José Duarte de Jesus disse à agência Lusa acreditar que Kim Jong-un "está efetivamente interessado em negociar com os Estados Unidos e em abrir o seu país".

"Tenho mais confiança na política externa de Kim Jong-un do que na do presidente Donald Trump", disse, referindo que a presidência Trump veio agravar o nível de perigo que esta zona do globo representa.

"São os próprios analistas norte-americanos que escolheram como slogan do Trump ´quanto pior, melhor`", acrescentou.

Numa altura em que a cimeira entre Kim Jong-un e Donald Trump, marcada para dia 12 de junho, está em risco, o embaixador diz não entender "a falta de bom senso das manobras militares na costa", que os Estados Unidos estarão a realizar.

"Dado o que fez no Irão e as manobras que tem realizado, ou o presidente Trump tem uma estratégia que não entendo ou, pior ainda, não tem estratégia nenhuma", adiantou.

Para o diplomata, estas são horas "muito perigosas".

José Duarte de Jesus espera que a Europa mantenha o seu papel e sublinhou que, "até agora, esta deu alguma distância de segurança em relação à política norte-americana".

"A política Trump é, inclusive, contra os seus aliados", adiantou.

"Coreia do Norte: a última dinastia Kim" faz uma análise da atual Coreia do Norte, a partir da perspetiva do autor, recorrendo um pouco a um passado mais longínquo para definir os valores fundamentais em causa, enquanto país com uma cultura milenar de raiz chinesa.

É o próprio autor que chama a atenção para o facto de "a memória histórica dos políticos" ser "relativamente curta".

O livro aborda ainda o "relacionamento especialmente amistoso" que Portugal chegou a ter com este que é considerado o país mais hermético do mundo.

"Devíamos ser o único país da União Europeia com quem eles tinham relações, e relações boas", afirma o diplomata.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.