Meteorologia

  • 17 AGOSTO 2018
Tempo
19º
MIN 17º MÁX 20º

Edição

Ciência diz que as mulheres são mais generosas e os homens mais egoístas

Várias pesquisas demonstram que quando uma mulher e um homem são colocados na mesma situação envolvendo uma soma de dinheiro, as mulheres tendem a partilhá-lo mais generosamente do que os homens. E agora um novo estudo explica porque isto acontece...

Ciência diz que as mulheres são mais generosas e os homens mais egoístas
Notícias ao Minuto

22:00 - 20/04/18 por Liliana Lopes Monteiro  

Lifestyle É oficial

Segundo um grupo de investigadores da Universidade de Zurique, na Suíça, o cérebro feminino responde de modo diferente do que o masculino quando confrontado com situações que implicam a demonstração de generosidade ou de atitudes egoístas.

O estudo publicado no periódico Nature Human Behaviour é o primeiro que demonstra a existência de facto de uma predisposição biológica e de género para a generosidade.

Os investigadores pretendiam observar como o striatum – uma parte do cérebro que é ativada durante o processo de toma de decisões e das consequentes recompensas – iria responder em cenários diferentes. Como tal pediram a 40 adultos para integrarem um conjunto de experiências que registassem imagens digitais do cérebro, enquanto tomavam decisões face à partilha ou não de dinheiro.

Como esperado, a região do striatum no cérebro revelou-se mais ativa nas mulheres quando optaram por tomar decisões mais “generosas e em prol de terceiros”, comparativamente a quando fizeram escolhas consideradas egoístas. Para os homens, detetou-se o inverso.

Seguidamente, foi pedido aos participantes que ingerissem drogas capazes de bloquear a transmissão de dopamina no cérebro, interrompendo assim “o sistema de recompensa”.

Nestas circunstâncias, as mulheres mostraram-se mais egoístas e os homens tornaram-se curiosamente mais generosos – sugerindo que certos fármacos podem afetar a benevolência dos indivíduos.

O coordenador do estudo, Alexander Soutschek, professor doutorado naquela universidade suíça, alerta que apesar destas diferenças terem sido detetadas do ponto de vista neurológico, não significa que sejam genéticas e que se encontrem programadas no ADN humano. Contrariamente, o académico aponta como ‘culpadas’ as normas culturais e sociais estabelecidas nas típicas sociedades patriarcais, e que separam ambos os sexos desde o nascimento.

Os sistemas de aprendizagem e de recompensa no cérebro estão interligados, explica Soutschek, e vários estudos já provaram que as raparigas tendem a ser recompensadas com elogios e com cumprimentos positivos (mais do que os rapazes), por comportamentos e atitudes tomados em prol da sociedade. Noutras palavras, as raparigas aprendem desde tenra idade – e os seus cérebros adaptam-se a essa realidade – que vão receber elogios e reconhecimento pelo seu altruísmo.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.