Meteorologia

  • 10 ABRIL 2021
Tempo
17º
MIN 14º MÁX 18º

Edição

Afinal o que é a solidão? E estamos cada vez mais sós ou não?

Parece ser consenso que as pessoas estão cada vez mais solitárias. Porém, este tema, relevante na época atual, dominada pela tecnologia e pelo anonimato das grandes cidades, está rodeado de mitos.

Afinal o que é a solidão? E estamos cada vez mais sós ou não?

De certeza que em alguma altura das nossas vidas já nos sentimos sós e o normal é que isso mais tarde ou mais cedo volte a acontecer.

Contudo o tema da solidão está na ordem do dia e é uma das preocupações atuais. De tal forma que, por exemplo, o Reino Unido decidiu criar um Ministério da Solidão, encarregado de atuar com outros órgãos governamentais para combater o problema.

Distinga o que é verdade e o que é mito.

Diferença entre solidão e isolamento

Sentir-se solitário não é o mesmo que estar sozinho. A solidão é uma sensação de desconexão, de não se sentir integrado ou compreendido por ninguém ao seu redor.

Ou seja, pode sentir-se só numa multidão ou numa casa cheia de gente. Como podemos isolar-nos e sentirmo-nos bem e felizes, até aliviados por termos algum tempo para nós.

Há um surto de solidão

Tendo como base estudos realizados em 1948, a professora Christina Victor, da Universidade Brunel, no Reino Unido, afirma que a proporção de pessoas que sofre de solidão crónica permaneceu estável durante 70 anos. Seis a 13 por cento, sentem-se sós constantemente ou na maioria do tempo.

Outra questão a ter em conta, é que de certa forma é ‘nomal’ que o número de pessoas solitárias aumente, já que a população mundial também está a crescer.

A solidão é sempre má

A solidão é dolorosa, mas por vezes pode constituir uma oportunidade para, por exemplo, procurarmos novos amigos ou melhorarmos os relacionamentos atuais.

O neurocientista John Cacioppo, argumenta que evoluímos para experimentar a solidão de forma a podermos manter as nossas ligações com outras pessoas.

Ao longo de milhares de anos os seres humanos sobreviveram em grupo – permanecendo em segurança ao viver em comunidade. Como tal, faz sentido ter um mecanismo de sobrevivência que nos leve a nos relacionar uns com os outros.

Nos casos em que a solidão é crónica e não temporária, as consequências podem de facto ser graves. Estudos mostram que se uma pessoa se sente solitária constantemente, o risco de ela sofrer de depressão é maior.

Os idosos são naturalmente mais solitários

Na realidade, estudos mostram que 50 a 60 por cento das pessoas mais velhas não se sentem de facto sós.

Apesar de ser comum na velhice, surpreendentemente, ao pesquisar sobre solidão, a professora Pamela Qualter, da Universidade de Manchester, no Reino Unido, encontrou também um pico na adolescência.

A solidão faz mal à saúde

Estudos indicam que a solidão pode aumentar o risco de doença cardíaca e de derrames cerebrais em quase um terço e que as pessoas solitárias têm uma menor esperança média de vida.

Porém, esses estudos não são de todo conclusivos, já que os investigadores não conseguiram apontar definitivamente que a solidão fosse o fator de causalidade daquelas patologias e até de morte prematura.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório