Meteorologia

  • 20 SETEMBRO 2018
Tempo
26º
MIN 24º MÁX 28º

Edição

Por que razão alguns pais dizem não à vacinação?

O continente europeu está a enfrentar o pior surto de sarampo dos últimas décadas. Por trás do aumento de casos desta doença na Europa estão as falhas nos programas de imunização, além da pouca cobertura de grupos marginalizados, mas há também pais que estão a dizer ‘não’ - erradamente – à vacinação.

Por que razão alguns pais dizem não à vacinação?
Notícias ao Minuto

09:00 - 22/02/18 por Liliana Lopes Monteiro  

Lifestyle Imunização

De acordo com os especialistas, o movimento antivacina é, em parte, responsável pelo surto de sarampo na Europa. Os 53 países da região, registaram 21.315 casos de sarampo em 2017 – 35 deles resultaram em morte.

Nos Estados Unidos e na Europa o movimento é relativamente forte, muito porque a vacinação é feita em clínicas privadas e fica a cargo dos pais, o que de certa forma retira da equação os agentes de saúde e o seu trabalho de consciencialização. Nos Estados Unidos, por exemplo, muitos dos estados não recomendam vacinas por motivos religiosos.

Elementos desses grupos ainda creem sobretudo que há uma possível ligação entre a vacina contra o sarampo e o desenvolvimento do autismo - hipótese desacreditada pela comunidade científica, há mais de 20 anos.

A Itália, onde o movimento antivacina tem ganho força nos últimos anos, foi o segundo país com o maior número de casos de sarampo na Europa em 2017.

Consequentemente, em maio do ano passado, o governo italiano determinou que as crianças de até seis anos de idade devem ser vacinadas contra 12 doenças comuns antes de serem matriculadas em escolas públicas. Caso isso não aconteça, os pais serão multados até 2.500 euros.

A Itália foi um dos países influenciado pelo estudo do britânico Andrew Wakefield, publicado na revista The Lancet, em 1998, ligava a vacina tríplice - contra sarampo, papeira e rubéola - ao desenvolvimento de autismo em crianças.

Acontece que o estudo, que usava apenas uma amostra de 12 crianças, foi considerado fraudulento e arrasado pela comunidade médica e científica.

Uma investigação jornalística descobriu que Wakefield, tinha falsificado dados clínicos em troca de dinheiro dos advogados dos pais dessas crianças. O Conselho Médico Geral britânico considerou que Andrew Wakefield agiu de forma antiética e desonesta e proibiu-o de exercer.

O norte-americano Jeffrey Bradstreet foi outro médico que promoveu o movimento antivacinação. Bradstreet relacionou todas as vacinas ao autismo, alegando que o problema estava na toxicidade do mercúrio. Mas a teoria, tal como a de Wakefield, também foi arrasada pela comunidade científica. O médico suicidou-se em 2015.

Em 2017, Portugal teve dois surtos simultâneos de sarampo (num total de 29 casos), que chegaram a provocar a morte de uma jovem de 17 anos.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), de dois a três milhões de vidas são salvas anualmente com a vacinação. "É uma das intervenções de saúde pública mais eficientes e com maior êxito", diz a instituição no seu site.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório