Meteorologia

  • 22 ABRIL 2024
Tempo
19º
MIN 14º MÁX 27º

Investigadores procuram novas moléculas terapêuticas com ajuda de IA

É um trabalho dos investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.

Investigadores procuram novas moléculas terapêuticas com ajuda de IA
Notícias ao Minuto

12:05 - 26/02/24 por Lusa

Lifestyle Investigação

Uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) está a desenvolver um método de Inteligência Artificial (IA) para gerar novas moléculas e acelerar a descoberta de novos medicamentos, foi hoje divulgado.

Em comunicado, a FMUP revela que é objetivo deste projeto "melhorar o combate a bactérias multirresistentes" através de um algoritmo de IA generativa que "seja capaz de criar novas moléculas com potencial terapêutico que se consigam adaptar às doenças com rapidez e eficácia".

Leia Também: Investigadores conseguem mapear comunicação do cancro do pâncreas

Já numa fase mais avançada, continua a FMUP, "a estratégia passa por atuar, em particular, contra as bactérias multirresistentes, mas com a possibilidade de adaptar o modelo a outras doenças e terapêuticas".

Neste momento, a equipa de investigadores desenvolveu um algoritmo tendo como base a utilização de grandes quantidades de moléculas conhecidas pela comunidade científica.

"Este algoritmo, ao qual demos a designação de MedGAN, tem como estrutura molecular de base a quinolina, que é das mais comuns na natureza e é também o esqueleto central de muitos medicamentos atuais", explica o investigador Bruno Macedo, citado no comunicado.

Já num artigo publicado na revista científica Scientific Reports da Nature, os investigadores demonstraram o processo de otimização de um algoritmo de IA que compara o efeito de diferentes parâmetros e arquiteturas de uma rede generativa.

Leia Também: Cancro colorretal. Médico indica três sintomas que pode estar a ignorar

"Foi possível concluir que estas estruturas geradas são inovadoras, válidas, suficientemente grandes e complexas na sua composição e com ótimos perfis preditivos de biodisponibilidade, toxicidade e síntese. Na prática, significa que são bons promissores de potenciais fármacos no futuro", indicam os investigadores.

Assim, é expectável que, a partir destas primeiras descobertas, "em que o algoritmo aprendeu a relação e os padrões de construção de novas moléculas", se abra "uma importante via para a aplicação da inteligência artificial generativa no desenvolvimento de novos fármacos".

"Estes dados abrem perspetivas para a fase seguinte do estudo, que passará por treinar o algoritmo a compreender o que determina uma ligação entre uma molécula e um alvo e otimizar a geração de novas moléculas para esse mesmo alvo", acrescenta o professor da FMUP Tiago Taveira Gomes, também citado na nota.

A meta é ter disponíveis até ao próximo ano novos compostos que permitam avançar para ensaios clínicos.

O projeto intitulado "Inteligência Artificial aplicada à descoberta de novos antibióticos" é da autoria dos investigadores Bruno Macedo, Inês Ribeiro Vaz e Tiago Taveira Gomes.

Leia Também: Cientistas descobrem mecanismo da relação entre stress e cancro

Recomendados para si

;

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório