Meteorologia

  • 01 DEZEMBRO 2022
Tempo
14º
MIN 10º MÁX 15º

Novas abordagens da Leucemia Mieloide Aguda versam células alteradas

Quem o diz é a presidente da Associação Portuguesa de Leucemias e Linfomas.

Novas abordagens da Leucemia Mieloide Aguda versam células alteradas

A Leucemia Mieloide Aguda (LMA), cancro que contabiliza entre 200 a 250 novos casos por ano em Portugal, tem novos tratamentos que incidem sobre alterações genéticas nas células, revelou à Lusa a especialista Isabel Barbosa.

As novas terapias, designadas de "terapêutica dirigida ou terapêutica alvo", segundo a também presidente da Associação Portuguesa de Leucemias e Linfomas (APLL), revelaram ser "menos agressivas para os doentes". "O que é novo aqui é a ação dos tratamentos, o alvo, não a via de administração", explicou a médica, precisando não serem tratamentos "dirigidos a todos os doentes, mas apenas aos que apresentam aquelas alterações genéticas".

Em declarações no âmbito do Dia Mundial da Leucemia Mieloide Aguda, que se assinala na quinta-feira, a médica falou de uma "consciencialização" para os novos doentes "que é preciso fazer" e que é o foco da iniciativa "Momentos com aLMA", organizado pela Sociedade Portuguesa de Hematologia, a Associação Portuguesa Contra a Leucemia, a Associação Portuguesa de Leucemias e Linfomas e a Associação de Apoio aos Doentes com Leucemia e Linfoma.

A LMA, descreveu a também presidente da APLL, "é uma doença rara que representa 1% de todos os cancros" sendo que em Portugal surgem "anualmente entre 200 e 250 novos casos", revelando-se "mais comum entre os homens" e manifesta-se "em adultos com mais de 45 anos".

Sobre os novos tratamentos, a especialista precisou que a quimioterapia "continua a ser uma opção, mas têm-se vindo a identificar alterações genéticas nas células, incidindo as novas terapias nessas alterações, nesses marcadores", a chamada "terapêutica dirigida ou terapêutica alvo". Dadas as características do tratamento "há menos efeitos adversos para os doentes", aplicando-se, também, "quando as pessoas não respondem aos tratamentos convencionais, como a quimioterapia e o transplante de medula", revelou.

Assinalando que os novos medicamentos "representam novas esperanças para os doentes de entrarem em remissão, ou seja, de terem a doença controlada", Isabel Barbosa enfatizou ser a "área da Hematologia onde têm surgido mais tratamentos inovadores e menos agressivos". "Continuará a ser sempre necessária a deslocação ao hospital e a monitorização, deixam é de haver as estadias tão prolongadas devido à quimioterapia", disse.

A LMA é um cancro raro e agressivo do sangue e da medula óssea que interfere no desenvolvimento de células sanguíneas saudáveis. O prognóstico de sobrevivência pode ser baixo, lê-se na informação enviada à Lusa, que acrescenta que um diagnóstico de LMA afeta significativamente todos os aspetos da vida de um doente, cuidador e família, durante o diagnóstico, tratamento e recuperação.

Leia Também: Estudo quer detetar e prevenir leucemia na população adulta de Coimbra

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório