Meteorologia

  • 19 AGOSTO 2022
Tempo
22º
MIN 22º MÁX 37º

Covid-19: Sobreviventes podem experienciar efeito fatal até 1 ano depois

Especialistas revelam que pessoas que contraem o novo coronavírus SARS-CoV-2, causador da Covid-19, apresentam um risco mais elevado de experienciarem um derrame ou acidente vascular cerebral (AVC).

Covid-19: Sobreviventes podem experienciar efeito fatal até 1 ano depois
Notícias ao Minuto

08:46 - 18/04/22 por Notícias ao Minuto

Lifestyle Sequelas do coronavírus

Os derrames são uma emergência médica e ocorrem quando é cortado o suprimento de sangue para determinada parte do cérebro, reporta um artigo publicado pelo jornal britânico The Sun.

Há geralmente duas causas principais, sendo que o AVC pode ter origem num coágulo de sangue ou devido ao rebentamento de um vaso sanguíneo no cérebro. Outra condição relacionada é denominada de ataque isquémico transitório (AIT), no qual o suprimento de sangue para o cérebro é temporariamente interrompido.

Leia Também: Investigadores detetam primeiro caso de coronavírus em lontra selvagem

Ora, os médicos que investigaram a doença após a infeção por Covid descobriram que as pessoas que tinham o vírus apresentavam um risco 72% maior de insuficiência cardíaca após 12 meses.

Mesmo aqueles que não ficam suficientemente doentes para necessitarem de hospitalização podem desenvolver problemas.

Num artigo escrito para a revista científica Nature Medicine, médicos alertaram que efeitos a longo prazo poderiam ser vistos no coração e no sistema vascular.

Estes incluem paragem cardíaca, insuficiência cardíaca, acidente vascular cerebral, ritmo cardíaco irregular, coágulos sanguíneos, doenças dos vasos sanguíneos e distúrbios causados pela inflamação do organismo.

Especialistas analisaram dados de mais de 11 milhões de veteranos norte-americanos, incluindo 154 mil que haviam sofrido de Covid-19.

Adicionalmente, estimaram o risco de desenvolvimento de 20 doenças cardiovasculares no período de um ano após a infeção.

Os investigadores descobriram que aqueles que tinham Covid um ano antes registavam um risco significativamente mais elevado dessas patologias, em comparação com indivíduos que não haviam sido infetados pelo SARS-CoV-2. 

Esse risco aumentou conforme a seriedade do caso. 

Evelina Grayver, diretora de saúde cardíaca feminina da clínica Northwell Health em Nova Iorque, nos Estados Unidos, que não estave envolvida no estudo, disse à Fox News: "foram diagnosticados 20 distúrbios cardíacos em pacientes que sofriam de Covid longa". 

"O mais comum é a falta de ar e a fadiga". 

"As novas arritmias, ou os ritmos cardíacos anormais que as pessoas experienciam, também são significativos e podem tornar-se incrivelmente debilitantes para muitos doentes", concluiu Grayver. 

Leia Também: Doenças que matam. No AVC cada minuto faz a diferença

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório