Meteorologia

  • 24 SETEMBRO 2021
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 23º

Edição

Esta quantidade de álcool por dia pode ajudar a evitar ataque cardíaco

Os dados apurados destinam-se apenas a indivíduos que já sofreram previamente um ataque cardíaco, angina ou acidente vascular cerebral (AVC).

Esta quantidade de álcool por dia pode ajudar a evitar ataque cardíaco

Segundo um novo estudo publicado na revista BMC Medicine e citado pela CNN, caso tenha uma doença coronária, beber uma pequena quantidade de álcool diariamente está associado a um menor risco de sofrer outro ataque cardíaco, angina, AVC ou morte prematura. 

"Esta [descoberta] não é para a população em geral - o estudo aplica-se somente a pessoas que já tiveram algo relacionado à saúde cardiovascular", afirmou a investigadora Emmanuela Gakidou, diretora sénior de desenvolvimento organizacional e treinamento do Institute for Health Metrics and Evaluation na Universidade de Washington, nos Estados Unidos.

Acrescentando: "E o que descobriram é que se continuar a beber depois de um evento cardíaco, não é assim tão mau para a pessoa, contanto que mantenha o consumo baixo". 

Os investigadores analisaram os dados de mais de 14 mil pessoas que já haviam experienciado um ataque cardíaco, derrame ou angina e que foram acompanhadas durante um período de até 20 anos. Adicionalmente, foram analisados os resultados de outros 12 estudos, formando uma amostra combinada de mais de 48 mil indivíduos. 

A pesquisa apurou que consumir até 105 gramas de álcool por semana protege pessoas que padeceram de um problema cardiovascular de ter outra ocorrência ou de morrer precocemente, comparativamente a pessoas que não bebem de todo. 

Tal valor corresponde a significativamente menos do que o limite superior de consumo aconselhado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para homens e mulheres, nomeadamente de 166 gramas por semana. 

"As nossas descobertas sugerem que as pessoas com DCV (doença cardiovascular) podem não precisar de parar de beber para prevenir ataques cardíacos adicionais, derrames ou angina, mas que podem considerar reduzir a sua ingestão semanal de álcool", disse o autor do estudo, Chengyi Ding, um estudante de pós-doutoramento na University College London, num comunicado emitido à imprensa. 

Contudo, os dados apurados não são válidos para toda a população, visto que o consumo de álcool eleva o risco de desenvolvimento de doenças como cirrose, tuberculose e cancro e de acidentes e ferimentos associados à substância, sublinhou Gakidou.

"Se o seu principal risco de saúde é o cancro de qualquer tipo, então o nível mais seguro de bebida é provavelmente zero”, partilhou Gakidou.

"E se tem menos de 40 anos ou mais, o nível mais seguro de álcool ainda é zero, porque adultos mais jovens morrem de lesões relacionadas ao álcool em todo o mundo", concluiu. 

Leia Também: Novo estudo alarmante culpa o álcool por sete cancros

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório