Meteorologia

  • 27 NOVEMBRO 2021
Tempo
15º
MIN 9º MÁX 15º

Edição

Covid-19: Casos mais graves ocorrem devido a herança genética, diz estudo

Cientistas revelam que casos mais graves da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, estão ligados à performance reduzida de moléculas capazes de reconhecer o vírus e que são herdadas dos pais.

Covid-19: Casos mais graves ocorrem devido a herança genética, diz estudo
Notícias ao Minuto

13:33 - 26/02/21 por Notícias ao Minuto 

Lifestyle Coronavírus e genes

De acordo com um novo estudo realizado por investigadores da Faculdade de Biologia e Biotecnologia da Higher School of Economics University, na Rússia, os quadros mais severos de Covid-19 podem estar relacionados a uma herança genética específica na identificação do Sars-CoV-2 nas células, reporta a revista Galileu. 

A pesquisa indica que a predisposição genética está diretamente ligada ao sistema de imunidade das células T, aquele que é um dos principais dispositivos de defesa e proteção do corpo contra o coronavírus.

Sendo que a presença do elemento estranho nas células (antígeno) é determinante para a ativação dos linfócitos T, responsáveis por destruir as células infetadas

Conforme explica o estudo publicado no Frontiers in Immunology, as moléculas de antígenos de leucócitos humanos classe I (HLA-I) estão incumbidas de reconhecer o que pertence de facto ao corpo humano e tudo aquilo que lhe é externo. Instaladas na superfície das células, encontram-se seis moléculas dos HLA-I que formam um conjunto único para cada pessoa, determinado a partir dos genes dos seus progenitores. 

Tal significa, descreve a Galileu, que o conjunto de HLA-I que identifica eficazmente o vírus pode atuar na obliteração das células infetadas de forma mais célere e efetiva. Senão, poderá desenvolver-se com maior probabilidade um quadro seriamente grave da doença. 

No estudo, os investigadores analisaram os genótipos de mais de 100 doentes que sofreram de Covid-19, e de 400 pessoas saudáveis (como grupo de controle). 

Os cientistas basearam a análise num sistema de pontuação, ou seja quanto menor a capacidade dos alelos HLA-I em apresentar o SARS-CoV-2 às células, mais pontos o indivíduo recebia. Este modelo foi usado numa amostra de pacientes de Moscovo, na Rússia e de Madrid, em Espanha. 

Nas duas avaliações, a contagem de pontos de indivíduos que evoluíram para quadros graves da patologia foi notoriamente mais elevada, comparativamente à de doente com casos moderados e ligeiros.

Como tal, os investigadores determinaram que a pontuação de risco era altamente eficiente e exata na previsão da gravidade da Covid-19.

Nas palavras de Alexander Tonevitsky, investigador da Faculdade de Biologia e Biotecnologia da HSE University: "além das correlações descobertas entre o genótipo e a gravidade da Covid-19, a abordagem sugerida também ajuda a avaliar como uma certa mutação [do vírus] pode afetar o desenvolvimento da imunidade de células T". 

"Poderemos, por exemplo, detetar grupos de pacientes para os quais a infeção com novas estirpes de SARS-CoV-2 pode levar a formas mais graves da doença", concluiu. 

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório