Meteorologia

  • 16 JANEIRO 2021
Tempo
MIN 4º MÁX 14º

Edição

Coronavírus invade o cérebro através da mucosa olfatória. Entenda

Cientistas analisaram amostras de tecido de cadáveres de 33 indivíduos que morreram vítimas do novo coronavírus SARS-CoV-2, causador da Covid-19, e detetaram que a mucosa é a área com maior carga viral.

Coronavírus invade o cérebro através da mucosa olfatória. Entenda

Investigadores do hospital universitário Charité, em Berlim, na Alemanha, apuraram que o SARS-CoV-2 chega ao cérebro dos infetados por meio de células nervosas na mucosa olfatória, conforme explica um artigo publicado na revista Galileu.

Segundo o novo estudo, um em cada três pacientes reportam experienciar sintomas neurológicos, como perda ou alteração do olfato ou paladar (anosmia), dores de cabeça, tonturas, náuseas e fadiga. E nos casos mais graves, a Covid-19 pode causar a ocorrência de um acidente vascular cerebral (AVC). 

De modo a perceber como essas manifestações são provocadas, os investigadores analisaram amostras de tecido de 33 cadáveres de indivíduos com a idade mediana de 72 anos e que haviam falecido em decorrência de adoecerem com a Covid-19. 

Os cientistas, reporta a Galileu, examinaram amostras retiradas da mucosa olfatória e de quatro zonas do cérebro desses pacientes, sendo que todas as amostras de tecido e células foram testadas para o a presença do SARS-CoV-2. Consequentemente, a equipa de investigadores detetou resquícios do novo coronavírus em estruturas neuroanatómicas distintas que conectam os olhos, a boca e o nariz com o tronco cerebral. Contudo, foi na mucosa olfatória que encontraram a maior carga viral. 

Frank Heppner, neuropatologista e um dos autores do estudo, aponta que esta mucosa é a "porta de entrada para o cérebro". 

"Uma vez dentro da mucosa olfatória, o vírus parece usar conexões neuroanatómicas, como o nervo olfatório, para chegar ao cérebro", diz o especialista. 

Ainda assim, os cientistas ainda não conseguiram identificar como o coronavírus se move a partir das células nervosas.

"É provável, porém, que o vírus também seja transportado através dos vasos sanguíneos, já que evidências do vírus também foram encontradas nas paredes dos vasos sanguíneos do cérebro", conta Helena Radbruch, co-autora do estudo e membro do departamento de neuropatologia do Hospital Charité.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório