Meteorologia

  • 28 NOVEMBRO 2020
Tempo
MIN 9º MÁX 16º

Edição

Substância no veneno de abelha mata células do cancro da mama em minutos

Uma descoberta inovadora na Austrália.

Substância no veneno de abelha mata células do cancro da mama em minutos

Um novo estudo revela que o veneno presente nos ferrões das abelhas mata rapidamente as células do cancro da mama. Segundo a Dr. Ciara Duffy, este veneno destrói vários tipos de cancro da mama, até mesmo o tipo triplo negativo, difícil de tratar.

A investigadora usou o veneno de 312 abelhas para o seu estudo sobre células cancerígenas. As abelhas - de Perth, Irlanda e Inglaterra - tiveram o seu veneno testado em cancros agressivos.

O estudo, publicado na revista npj Precision Oncology, descobriu que o veneno da abelha não apenas erradica esses cancros, mas também bloqueia a capacidade de reprodução de uma célula cancerígena. O veneno também contém um composto chamado melitina, que os investigadores dizem que ajuda a erradicar a doença com notável velocidade.

“O veneno era extremamente potente”, disse a cientista do Instituto de Pesquisa Médica Harry Perkins, citada pela Study Finds. “Descobrimos que a melitina pode destruir completamente as membranas das células cancerosas”. Em apenas 20 minutos, a melitina decompõe as mensagens químicas que as células do cancro da mama transmitem para desencadear o crescimento e a divisão celular.

Mais pesquisas precisam de ser feitas para descobrir que tipo de dose é necessária em humanos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório