Meteorologia

  • 13 JULHO 2020
Tempo
25º
MIN 23º MÁX 37º

Edição

Estudo alerta: Hidroxicloroquina pode causar arritmias e morte súbita

Cientistas detetaram que o medicamento torna "surpreendentemente fácil" suscitar arritmias em dois tipos de coração de animais, modificando perigosamente o tempo das ondas elétricas responsáveis por controlarem os batimentos cardíacos.

Estudo alerta: Hidroxicloroquina pode causar arritmias e morte súbita

Uma equipa de investigadores do Instituto de Tecnologia da Geórgia, nos Estados Unidos, recorreu à utilização de um sistema de mapeamento óptico com o intuito de observar como a hidroxicloroquina provoca danos graves no coração de animais.

A pesquisa foi publicada no Heart Rhythm, e divulgada pela revista Galileu, e pretendia entender e identificar os impactos negativos da toma do fármaco em doentes infetados com o novo coronavírus SARS-CoV-2, causador da Covid-19. 

Segundo a Galileu, os cientistas detetaram que o medicamento torna "surpreendentemente fácil" suscitar arritmias em dois tipos de coração de animais, modificando tempo das ondas elétricas responsáveis por controlarem os batimentos cardíacos.

Durante o estudo os investigadores depararam-se com um alongamento da onda T, uma parte do ciclo cardíaco no qual as tensões em condições normais se desvanecem preparando-se para a batida seguinte. Por outras palavras, a hidroxicloroquina, impacta a palpitação seguinte, originando  uma arritmia capaz de afetar a habilidade do coração de bombear sangue para o resto do corpo.

"Os dados apurados são extremamente preocupantes e, juntamente com os relatos clínicos de morte súbita e arritmia em pacientes de Covid-19 a tomarem hidroxicloroquina, sugere que o medicamento deva ser considerado potencialmente prejudicial e o seu uso em pacientes com o novo coronavírus deve ser restrito a ensaios clínicos", alerta Shahriar Iravanian, co-autor do estudo, num comunicado emitido à imprensa. 

Conforme explica a Galileu, num batimento cardíaco considerado normal, uma onda elétrica é produzida nas células especializadas do átrio direito do coração, disseminando-se pelo órgão. Essa onda ao mover-se pelo coração, gera um potencial elétrico que faz com que os íons de cálcio sejam libertados. Tal estimula a contração coordenada e adequada do músculo cardíaco. 

No entanto, fármacos como a hidroxicloroquina alteram as propriedades desses canais iónicos e bloqueiam o fluxo de correntes de potássio, alongando assim o comprimento das ondas elétricas e criando variações espaciais nas suas propriedades. Consequentemente podem ocorrer ritmos cardíacos perigosamente acelerados e irregulares. 

Entretanto, os especialistas sublinham que quem toma hidroxicloroquina para o tratamento do lúpus e artrite reumatóide raramente sofre de arritmia, isto porque as doses recomendadas são significativamente menores relativamente àquelas necessárias para combater o SARS-CoV-2. 

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório