Meteorologia

  • 29 NOVEMBRO 2020
Tempo
11º
MIN 9º MÁX 14º

Edição

Solteiros têm um risco 42% superior de sofrer de demência do que casados

Será mesmo que o casamento pode ajudar a evitar a demência? Um novo estudo sugere que sim.

Solteiros têm um risco 42% superior de sofrer de demência do que casados
Notícias ao Minuto

10:11 - 21/02/20 por Liliana Lopes Monteiro  

Lifestyle Risco de demência e de Alzheimer

Um novo estudo divulgado pela BBC News argumenta que indivíduos solteiros apresentam uma probabilidade 42% mais elevada de desenvolver a doença degenerativa do foro neurológico ao longo da vida, comparativamente aos seus pares casados.

O estudo, realizado por investigadores da University College London (UCL), no Reino Unido, demonstra que entre os viúvos, esse risco é 20% maior, enquanto os divorciados têm o mesmo risco de sofrer de demência que pessoas casadas.

Para efeitos daquela meta-análise, os académicos analisaram e compararam 15 estudos individuais realizados anteriormente, que envolveram 812 mil participantes, acerca da possível relação entre estado civil e demência.

Conforme aponta a BBC, a descoberta, publicada na revista científica Journal of Neurology, Neurosurgery, and Psychiatry, pode ser explicada de diversas formas.

Os investigadores argumentam que o casamento pode mudar a exposição das pessoas a fatores de risco e de proteção em relação à demência. Estudos mostram, por exemplo, que quem é casado costuma adotar estilos de vida mais saudáveis.

"Os cônjuges podem ajudar a incentivar hábitos saudáveis, cuidar da saúde dos parceiros e dar um apoio social importante", refere Laura Phipps, do Alzheimer's Research UK, instituto de pesquisa sobre a doença, considerada a forma mais comum de demência.

Pesquisas anteriores já haviam provado, que entre os fatores que contribuem para o aumento do risco de demência, estão por exemplo: sedentarismo, hipertensão, obesidade, isolamento social, baixo grau de escolaridade.

A importância de socializar

O novo estudo alerta ainda que há provas científicas de que quem é casado está igualmente mais propenso a manter mais relações sociais.

De acordo com a pesquisa, a interação social ajuda a construir uma reserva cognitiva e a reduzir o risco de desenvolver demência ao longo da vida.

"O estudo sugere que a interação social pode ajudar a construir uma reserva cognitiva - uma resiliência mental que permite que as pessoas vivam por mais tempo com uma doença como o Alzheimer antes de apresentar os sintomas", explica Phipps.

O impacto do luto

O luto poderá ainda ter uma correlação direta com o aumento do risco de demência. Isto é, o stress provocado pela perda do conjugue tem um efeito prejudicial sobre os neurónios do hipocampo do cérebro (considerado a sede da memória em nosso cérebro), o que explicaria a incidência maior da doença entre os viúvos.

Outra possível explicação é que o surgimento da demência esteja relacionado a aspetos cognitivos - que influenciam o comportamento de cada indivíduo - e traços da personalidade.

Segundo o estudo, pessoas com dificuldade de flexibilidade de pensamento ou comunicação - e consequentemente menor reserva cognitiva - podem ser menos propensas a se casar, em sociedades na qual o casamento é considerado norma social. Logo, haveria apenas uma correlação entre os fatores: pessoas que desenvolvem demência também costumam ser solteiras, e as duas condições seriam resultantes de um terceiro fator.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório