Meteorologia

  • 23 JANEIRO 2020
Tempo
11º
MIN 8º MÁX 13º

Edição

Toma de anticoncecionais torna região do cérebro das mulheres menor

Descoberta poderia explicar por que algumas mulheres têm menor libido ou estão mais propensas a sofrer de depressão ao tomar a pílula.

Toma de anticoncecionais torna região do cérebro das mulheres menor
Notícias ao Minuto

09:15 - 11/12/19 por Liliana Lopes Monteiro  

Lifestyle Pílula e alterações no hipotálamo

Para muitas mulheres, o uso da pílula anticoncepcional faz parte da rotina. E, por causa disso, muitas dúvidas podem surgir a respeito dos seus efeitos no corpo feminino, como alterações de humor e a diminuição da libido. E agora um novo estudo apresentado esta semana pode ter encontrado uma explicação: a pílula altera a estrutura do cérebro das mulheres.

De acordo com a pesquisa, mulheres que utilizam contracetivos orais têm o hipotálamo menor em comparação com aquelas que não o fazem. Os investigadores constataram que essa região do cérebro, responsável por regular o apetite, emoções e até mesmo a libido, reduziu em cerca de 6% nessas mulheres. “Para uma região do cérebro, essa é uma diferença considerável”, comentou Michael Lipton, da Faculdade de Medicina Albert Einstein, nos Estados Unidos, ao Live Science. A equipa ainda descobriu que um hipotálamo reduzido pode estar associado ao aumento dos níveis de raiva e sintomas depressivos.

Uma das explicações para esse fenómeno é o fato de que o hipotálamo produz hormonas que regulam o sistema endócrino do corpo e, portanto, ao tomar a pílula, essa parte do cérebro recebe a informação de que não necessita de produzir hormonas sexuais. Estudos anteriores mostraram que essas hormonas promovem o crescimento dos neurónios, ou seja, sem eles, essa função pode ficar prejudicada, provocando a referida diminuição no tamanho do hipotálamo.

Segundo a Organização da Nações Unidas (ONU), cerca de 150 milhões de mulheres tomam contraceptivos orais em todo o mundo. Apesar disso, os cientistas alertam que não há motivos para preocupações, nem para interromper o uso da pílula, já que essa alteração cerebral não afeta todo o cérebro nem prejudica funções mentais importantes. “Esses resultados não são para alarmar. Podem simplesmente apontar para uma questão que merece mais pesquisas”, acrescentou Lipton. 

Esse é o primeiro estudo a avaliar os efeitos da pílula no hipotálamo. As novas descobertas foram apresentadas na última quarta-feira durante a reunião anual da Sociedade Radiológica da América do Norte. 

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório