Meteorologia

  • 21 OUTUBRO 2021
Tempo
18º
MIN 15º MÁX 22º

Edição

Bomba relógio. Esta é a melhor forma de combater e tratar colesterol

As associações de cardiologia mais importantes dos Estados Unidos surpreenderam a comunidade médica esta semana ao publicar novas orientações sobre como tratar o colesterol.

Bomba relógio. Esta é a melhor forma de combater e tratar colesterol
Notícias ao Minuto

09:14 - 27/11/19 por Liliana Lopes Monteiro  

Lifestyle Acabar com o colesterol

As novas recomendações mudaram completamente as regras do jogo, conforme reporta a BBC Mundo. Os pacientes agora não terão mais metas - como um nível específico de colesterol no sangue que devem atingir - mas serão classificados em quatro grupos para os diferentes tratamentos recomendados com fármacos conhecidos como estatinas.

Isso significa que um terço dos adultos que vive nos Estados Unidos deve considerar a possibilidade de tomar esses medicamentos.

Tais substâncias diminuem os níveis do colesterol, em comparação com os 15% da população que já usam esse tipo de tratamento.

A outra novidade apresentada pela orientação publicada pelo American College of Cardiology (ACC) e pela American Heart Association (AHA) é que, pela primeira vez, não se tem apenas em consideração os enfartes, mas também os acidentes vasculares cerebrais.

O anúncio gerou polémica entre os médicos e especialistas dentro e fora dos Estados Unidos. Alguns apoiaram a recomendação, enquanto outros reforçaram os riscos de efeitos secundários, e o impacto que o uso dessa droga pode ter sobre o desenvolvimento de medicamentos e métodos alternativos.

Nesse sentido, a BBC Mundo investigou alguns desses argumentos com representantes da comunidade médica.

Abolição dos números

Para Luis Rodriguez Padial, vice-presidenteda Sociedade Espanhola de Cardiologia, a perda dos objetivos "pode envolver o relaxamento no interesse em alcançar uma meta, que existe quando tem um nível a atingir".

"Mudar essa atitude pode ser algo negativo, porque muitos pacientes terão uma queda nos níveis que poderiam ser alcançados", explica à BBC.

No passado, as pessoas com níveis extremamente elevados, 190mg/dl ou mais, de colesterol mau, conhecido como LDL, além de receberem tratamento com estatinas, tinham também de reduzir o nível para 70mg/dl. Este último não é mais necessário, pelo menos nos Estados Unidos.

Para o cardiologista José Antonio Carbonell, do Hospital Marina Baixa, em Alicante, Espanha, as mudanças não são negativas.

"A partir da nova classificação em grupos de risco, o paciente recebe uma sobrecarga menor de medicamentos e, portanto, menos efeitos colaterais, menos interações medicamentosas, uma melhor adesão aos tipos de tratamentos e custos monetários provavelmente menores", Carbonell disse à BBC.

O novo guia divide os pacientes em quatro grupos: os que já sofrem de doenças cardiovasculares, aqueles com níveis de LDL de 190mg/dl ou mais, adultos acima de 40 anos com diabetes tipo 2, e adultos acima de 40 anos com 7, 5% de risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares em 10 anos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório