Meteorologia

  • 16 OUTUBRO 2019
Tempo
20º
MIN 13º MÁX 21º

Edição

Depressão resistente: O que fazer quando os antidepressivos não funcionam

Considerada a epidemia do século XXI, a depressão atinge cerca de 4,4% da população do planeta e é a principal causa de incapacidade, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Depressão resistente: O que fazer quando os antidepressivos não funcionam
Notícias ao Minuto

09:58 - 09/10/19 por Liliana Lopes Monteiro  

Lifestyle Depressão e ECT

Em uma década, entre 2005 e 2015, o número de pessoas com o transtorno subiu 18,4% no mundo todo, segundo o último relatório da OMS sobre o tema.

Portugal é o país da Europa com a taxa de depressão mais elevada e o segundo no mundo (só ultrapassado pelos Estados Unidos da América);

Apesar de existirem várias terapias com medicamentos e tratamentos psicológicos eficazes para o distúrbio, numa parcela dos doentes – entre 10% e 30% –  fazem pouco ou nenhum efeito, como divulga uma reportagem extensa sobre a patologia debilitante do foro mental. 

Essas pessoas têm a chamada depressão resistente ao tratamento, também conhecida como refratária ou não responsiva.

"É quando o paciente, após tratamento com duas classes diferentes de antidepressivos, por mais de seis semanas e em doses terapêuticas, não apresenta melhorias", explica o psiquiatra Wagner Gattaz, coordenador do Laboratório de Neurociências do Instituto de Psiquiatria (IPq) da Universidade de São Paulo (USP), em entrevista à BBC.

Segundo o médico, as causas ainda não são totalmente conhecidas – assim como as da própria depressão. Uma das explicações é a grande variabilidade individual no destino do medicamento depois que ele é tomado.

"Essa variabilidade começa no estômago e no intestino, determinando o quanto do medicamento será absorvido e irá para a corrente sanguínea. Alguns indivíduos absorvem mais, o que lhes garante um resultado melhor, e outros menos", comenta.

Também há diferenças individuais quando a droga chega ao cérebro: "O alvo dos antidepressivos são as conexões nervosas, nas quais predominam diferentes substâncias neurotransmissoras, como serotonina, noradrenalina e dopamina. Só que tanto a produção desses neurotransmissores quanto a sensibilidade dos seus receptores variam de pessoa para pessoa".

Fora isso, tem-se a variabilidade individual na velocidade com quem os medicamentos são metabolizados no fígado.

Em cerca de 70% das pessoas, a metabolização dá-se em ritmo normal. Nos 30% restantes pode ocorrer de forma ultrarrápida, não dando tempo para o fármaco fazer efeito; ou lenta, acumulando a droga no organismo e provocando diversos efeitos colaterais.

Estratégias de tratamento

Embora a depressão resistente seja um pouco mais difícil de ser tratada, existem ferramentas. Uma delas é o teste farmacogenético, que faz uma análise do ADN para verificar quais os medicamentos mais adequados para cada pessoa. 

"Esse exame aumenta a probabilidade de um acerto de medicamento ou dá a orientação para um ajuste de dose", afirma Gattaz.

Além disso, existem as terapias somáticas, que devem ser associadas às farmacológicas. Uma delas é a estimulação magnética transcraniana (EMT), técnica não invasiva que estimula o cérebro com ondas magnéticas, modulando os neurotransmissores.

Para obter um bom resultado são realizadas 20 sessões, inicialmente diárias. "A aplicação é feita com o paciente acordado e a partir da 10.ª já começa a apresentar melhoras", informa Gattaz.

Outra opção é a eletroconvulsoterapia (ECT), que, através de uma baixa corrente elétrica, induz à convulsão e, assim, provoca alterações químicas no cérebro.

"Esse método provoca a despolarização da membrana neuronal, abrindo canais de comunicação entre os neurónios", comenta Silva, da ABP.

"O problema é que ainda é um método de tratamento muito estigmatizado, visto como uma forma de castigo. Porém, é seguro e o seu sucesso terapêutico tem sido destacado por diversos estudos", complementa.

Na ECT, a aplicação é feita com o paciente anestesiado. São realizadas entre nove a 12 sessões, de duas a três vezes por semana. "Algumas pessoas apresentam sinal de melhora já na primeira sessão, mas para o efeito ser completo é preciso fazer o tratamento todo", aponta o médico.

Vale salientar que tanto a EMT quanto a ECT não são indicados para todos os casos, e que apenas o psiquiatra pode avaliar a necessidade individualmente.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório