Meteorologia

  • 19 AGOSTO 2019
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 19º

Edição

Noites quentes. Especialista dá dica para ter mais orgasmos

Para começar, o orgasmo não está realmente relacionado com a vagina. “Trata-se de um grande evento cerebral”, explica a norte-americana Nan Wise, neurocientista cognitiva e terapeuta sexual.

Noites quentes. Especialista dá dica para ter mais orgasmos

A partir da realização de exames de ressonância magnética durante o orgasmo, Nan e uma equipa de investigadores subverteram as crenças anteriores de que o cérebro fica em ‘branco’ nesse momento. Os dados apurados, publicados no ano passado no periódico científico Journal of Sexual Medicine, mostram que existem várias regiões do cérebro envolvidas no clímax.

O orgasmo em detalhe

Há uma razão para que o clímax seja uma experiência abrangente. Os orgasmos são produzidos por sensações criadas em quase todas as áreas do cérebro.

“O que vimos da minha pesquisa foi que, durante o curso de estimulação, as ativações do cérebro aumentam”, diz Nan. “Especificamente, o orgasmo envolve muitas regiões cerebrais que contribuem para a sensação e a recompensa”.

Pense no seu cérebro como uma prancha de luz. Quando começa a ficar excitado, todas essas áreas começam a brilhar – quando chega ao clímax, prepare-se para pegar nos óculos de sol. “Quando dizemos que o órgão sexual mais importante é o cérebro, não estamos a brincar”, completa.

Clímax cognitivo

Então, se orgasmos acontecem no cérebro, pode ‘boa’ fantasia sexual substituir o seu parceiro (ou vibrador)? Tecnicamente, sim, de acordo com a pesquisa da profissional.

Num estudo de 2016 publicado na revista Socioafective Neuroscience and Psychology, Nan e a sua equipa descobriram que simplesmente pensar em estimulação genital ilumina várias áreas do cérebro envolvidas com o orgasmo.

“Imaginar a estimulação com vibrador gerou extensa ativação cerebral no córtex sensitivo genital, no córtex somatossensorial secundário, no hipocampo, na amígdala, na ínsula, no núcleo acumbente e no córtex pré-frontal medial”, escreveram os autores.

Enquanto isso, imaginar-se a ser tocado em uma situação não sexual (como no ginecologista) deixou essas áreas quase escuras.

Considere esta uma razão para estar mais atenta durante o sexo ou masturbação, realmente pensando em cada toque e sensação para acionar o ‘fogo de artifício’ no seu cérebro: “É essa incrível capacidade de provocar prazer apenas imaginando a estimulação genital. Quando sabemos disso, é possível que realmente nos capacite”.

Leia Também: Cinco factos científicos sobre os orgasmos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório