Meteorologia

  • 20 JUNHO 2019
Tempo
21º
MIN 19º MÁX 23º

Edição

E se uma cápsula pudesse diagnosticar e ao mesmo tempo tratar doenças?

Uma "cápsula" para diagnosticar e simultaneamente tratar doenças, técnicas para detetar cancros e tratá-los "à medida" e com menos custos são algumas das capacidades da nano medicina que vão ser apresentadas no NanoMed Europe2019, em Braga.

E se uma cápsula pudesse diagnosticar e ao mesmo tempo tratar doenças?
Notícias ao Minuto

18:00 - 13/06/19 por Lusa

Lifestyle NanoMed Europe2019

O evento acontece no Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL), em Braga, entre a próxima segunda e quarta-feira, contando com mais de 300 participantes de 30 países, entre cientistas, fornecedores de tecnologia, empresários, médicos e decisores políticos.

Em declarações à Lusa, Manuel Banobre, investigador e um dos organizadores, explicou que a nano medicina tem vantagens clínicas, de diagnóstico, de alívio da dor, de custos mas que ainda "emperra" na passagem dos laboratórios para a prática clínica pelo "excesso de burocracia" e exigências técnicas.

"Existem sistemas já muito avançados, tanto de diagnóstico, como terapêutico, com boas performances, mas existe uma falha na passagem para a prática clínica. É o principal entrave, demora muito tempo a chegar do laboratório ao doente. Era importante uma translação mais rápida para a utilização clínica", apontou.

Segundo acredita o investigador, a nano medicina pode mudar a forma como se encontra, trata e se vive com a doença, provocando "uma revolução no sistema de saúde tal como se conhece agora", na procura de sistemas de diagnóstico e tratamento mais eficientes, que permitam um "tratamento mais específico" de certas doenças com "efeitos secundários gravosos".

Além dos benefícios médicos e de bem-estar, o investigador realçou a mais-valia para a sustentabilidade dos sistemas de saúde: "Se se ajustar as doses, não só para serem mais eficazes, como para diminuir os efeitos secundários, vai-se poupar na quantidade de drogas e no tratamento dos efeitos secundários, que, na maior parte dos casos, é o que fica mais caro tratar.

Tendo o cancro por base, poderá vir a ser possível, no futuro, criar cápsulas comandadas como mísseis nucleares, exemplificou o investigador.

"Ainda não conseguindo isso, vamos conseguindo tratamentos mais eficazes pelo facto de dirigir o medicamento ao seu alvo, como se tivesse um GPS", apontou.

Com isto, "será possível reduzir os dias de internamento do doente, a dor e isso terá como vantagem libertar verbas".

Quanto ao diagnóstico, Manuel Banobre salientou que a nano medicina se está a debruçar no "desenvolvimento de técnicas não invasivas de diagnóstico, imagens clínicas, diagnósticos precoces, mais precisos, com mais contraste, por exemplo, nas tecnologias que envolvem imagem".

O NanoMed Europe2019, considerado o maior e "principal evento europeu de nano medicina", pretende ainda "ajudar a preparar o "Horizon Europe", o próximo Programa de Trabalho da Comissão Europeia, a partir de 2021.

Organizado em parceria com a Plataforma Tecnológica Europeia de Nano medicina (ETPN), o evento visa apresentar os mais recentes desenvolvimentos em nanotecnologia aplicados às ciências médicas e à prática clínica, com ênfase para a sustentabilidade dos sistemas de saúde.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório