Meteorologia

  • 19 SETEMBRO 2019
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 27º

Edição

Depressão no prato? Entenda como a alimentação afeta a saúde mental

Alimentos não são remédios, mas uma nutrição equilibrada pode diminuir a probabilidade de sofrer males como a ansiedade e a depressão.

Depressão no prato? Entenda como a alimentação afeta a saúde mental

Há décadas que os cientistas conhecem os benefícios que uma dieta e nutrição adequadas têm no desenvolvimento das doenças cardiovasculares, digestivas e endócrinas, como explica uma reportagem publicada no periódico espanhol El País.

E não só os médicos estão conscientes de que 'a saúde entra pela boca'; a informação dirigida aos mortais comuns para cuidar de sua dieta é tudo, menos escassa. A situação é muito diferente no campo da psiquiatria, ainda que nos últimos anos um número crescente de pesquisas mostre que a alimentação não só tem um papel crucial na saúde física como também na mental.

Uma questão de inflamação

A comunidade científica começou a perguntar-se por que a doença mental também não é tratada da perspetiva nutricional, e os especialistas encontraram um paradoxo muito interessante.

“As doenças psiquiátricas, como a depressão e a esquizofrenia, não são muito diferentes da diabetes se olharmos as mudanças que ocorrem no organismo a um nível molecular. As pessoas com diabetes e com depressão encontram-se num estado de inflamação sistémica leve, mas crónica”, diz o professor de psiquiatria e psicologia médica da Universidade de Valência e membro do comité executivo da Sociedade Internacional para a Pesquisa em Psiquiatria Nutricional Vicent Balanzá. “Assumindo isso, as intervenções com dieta e nutrição podem ser eficazes para corrigir a inflamação também nas doenças psiquiátricas e, em geral, para melhorar o prognóstico das pessoas que as sofrem. No final de contas, a divisão entre cérebro-mente e corpo não tem fundamento científico”, acrescenta.

Um dos maiores expoentes da disciplina emergente, o agricultor e psiquiatra da Universidade Columbia, em Nova Iorque, nos Estados Unidos, Drew Ramsey, defende que uma dieta deficiente é um dos maiores fatores que contribuem para o desenvolvimento da depressão. Nesse sentido, uma das metanálises mais recentes publicadas sobre os efeitos da nutrição na saúde mental, da qual participaram cientistas do mundo todo , descobriu que “manter uma dieta saudável, em particular uma dieta mediterrânea tradicional, e evitar uma dieta proinflamatória parece dar uma certa proteção contra a depressão em estudos observacionais. Isso proporciona uma base de evidência razoável para avaliar o papel das intervenções dietéticas para prevenir a depressão”, diz o texto.

Diminuir o risco de depressão em até 35%

De acordo com Vicent Balanzá, esse campo de pesquisa está a proporcionar descobertas satisfatórias. Por exemplo, sabe-se que “as pessoas que seguem dietas ricas em verduras, frutas, grãos não processados, peixes e mariscos, que contêm poucas quantidades de carnes magras e laticínios, têm um risco de depressão de 25% a 35% mais baixo. Além disso, uma má hidratação, o consumo de álcool, de cafeína e o hábito de fumar podem precipitar e estimular os sintomas da ansiedade”. O especialista acrescenta também que picos elevados de açúcar “podem imitar desde uma crise de ansiedade a um ataque de pânico”. Por último, “os períodos prolongados de jejum, em que são gerados estados hipoglicemiantes — caracterizados pela diminuição dos níveis de açúcar no sangue —, podem simular sintomas de depressão”.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório