Meteorologia

  • 19 ABRIL 2019
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 15º

Edição

Champôs que prometem reparar os fios não fazem mais do que os clássicos

Todos lavam bem o cabelo como indicam os dados divulgados pela Deco Proteste, mas nenhum champô se destaca. Pois reparar os fios através da lavagem é uma missão impossível, já que as células mortas não se regeneram.

Champôs que prometem reparar os fios não fazem mais do que os clássicos
Notícias ao Minuto

13:45 - 26/03/19 por Liliana Lopes Monteiro  

Lifestyle Cabelo

Alisamentos, sol, praia, humidade, cloro das piscinas, coloração ou o calor do secador infligem “maus-tratos” ao cabelo e podem deixar marcas irreparáveis, como refere a Deco Proteste.

O que acontece é que quando surgem pontas espigadas, os fios jamais voltam ao normal, porque são formados por células mortas, impossíveis de regenerar, desse modo não há champô reparador ou não que resolva o problema e a única solução é cortar a parte estragada.

De acordo com o Regulamento Europeu dos Cosméticos, as alegações, implícitas ou explícitas, usadas na rotulagem e na publicidade não podem atribuir aos produtos características ou funções que estes não possuem e devem ser baseadas “em elementos comprovativos adequados e verificáveis”, aponta a Deco.

Ou seja, se o cabelo só tem células vivas na raiz, não é honesto dar a entender que o uso de um champô permite restaurar danos.

A Deco Proteste refere no seu site que questionou o Infarmed sobre o assunto, mas que a resposta foi pouco esclarecedora: “A avaliação da conformidade é analisada caso a caso”.

Num conjunto de 28 champôs ‘reparadores’ testados pela Deco Proteste e por outras sete associações de consumidores europeias, apenas dois apresentaram alguns benefícios.

Experiência

O aspeto do cabelo foi avaliado em laboratório por especialistas, que lavaram a cabeça de 25 mulheres. Todas tinham o cabelo pelos ombros, seco e danificado. Nos cinco dias anteriores ao teste, as participantes usaram o seu champô habitual e não aplicaram qualquer amaciador.

Após a lavagem, os especialistas secaram e pentearam os cabelos, avaliando, por exemplo, a facilidade em desembaraçar e escovar o cabelo molhado e seco, a maleabilidade, o brilho, efeito eletroestático, concuída a secagem.

Globalmente, todos os produtos passaram nas provas e um obteve a classificação máxima.

No laboratório, a eficácia da lavagem foi medida em madeixas de cabelo claro natural, com sete centímetros de comprimento, intencionalmente sujas. Em condições idênticas e bem controladas, algumas destas madeixas foram lavadas só com água, outras com um produto de referência sintetizado em laboratório, e outras com os champôs testados.

“Primeira conclusão: ao contrário do que pensam alguns, a lavagem só com água não remove a sujidade. Quanto aos champôs, não se registaram diferenças entre os seis testados”, pode ler-se no portal da Deco Proteste.

Os seis champôs foram ainda reembalados em laboratório, para que a marca não fosse reconhecida, e distribuídos por 30 mulheres com cabelo danificado. Estas lavaram a cabeça três vezes numa semana com o mesmo produto, sem usar amaciador. Depois, preencheram um inquérito em que avaliaram uma série de critérios, como consistência, textura, quantidade de espuma, sensação de limpeza e facilidade em aplicar o produto e em pentear o cabelo (seco e molhado). No geral, as avaliações das utilizadoras foram mais baixas do que as dos especialistas, não havendo diferenças entre os champôs que se dizem reparadores e os clássicos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório