Meteorologia

  • 19 NOVEMBRO 2019
Tempo
MIN 7º MÁX 14º

Edição

Dor que não passa. Saiba por que é tão comum morrer de coração partido

O antigo presidente dos Estados Unidos George H. W. morreu em Houston no passado dia 30 de novembro, menos de oito meses após a morte da sua mulher Barbara, com quem foi casado durante 73 anos.

Dor que não passa. Saiba por que é tão comum morrer de coração partido

Segundo uma reportagem divulgada pela revista norte-americana TIME, uma série de fatores podem causar a morte de elementos do mesmo casal num curto espaço de tempo.

De acordo com um estudo publicado em 2013, no periódico científico Journals of Gerontology, a morte de um dos indivíduos pode aumentar o risco de morte do parceiro em cerca de 30%, comparativamente aqueles que não são casados. Algumas estimativas chegam a ser mais elevadas e estimam que nos seis meses logo após o falecimento de um dos elementos, o enlutado apresenta um maior risco de mortalidade – de 40% a 70% - comparativamente ao resto da população, revela a organização American Psychological Association.

Apesar de trágico o fenómeno é facilmente explicável, já que os elementos do casal tendem regra geral a ter uma idade próxima e a partilhar as mesmas atividades e hábitos durante décadas.

Os especialistas referem ainda que a devastação emocional causada pela perda de um parceiro de vida pode ter também o seu peso, por vezes provocando até uma condição fatal comummente conhecida por síndrome do coração partido ou cardiomiopatia.

“O cérebro tem um sistema para lidar com stress extremo”, explica o médico Martin Samuels, diretor de neurologia no Brigham and Women’s Hospital, em Boston, e investigador da síndrome do coração partido, em declarações à TIME.

“Quando esta síndrome ocorre o stress é tão grande que faz com que químicos nocivos afetem o coração, o que por sua vez faz com que este não contraia normalmente”. O coração assume uma forma anormal, o que leva a um decréscimo da circulação sanguínea até às artérias coronárias e ao resto do corpo, diz.

“Qualquer órgão pode falhar, ou todos os órgãos”, afirma Samuels. “Perder um esposo é uma das experiências e circunstâncias mais stressantes que um ser humano pode viver”.

Enquanto que o casamento e o companheirismo associado apresentam benefícios para a saúde, a solidão que os indivíduos sentem quando essa união acaba pode ter o efeito inverso. Os cientistas creem inclusive que a solidão pode aumentar o risco de alguém sofrer um ataque cardíaco ou enfarte.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório