Meteorologia

  • 21 NOVEMBRO 2018
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 13º

Edição

Dor Crónica afeta 35% dos portugueses nos cuidados de saúde primários

Dados preliminares do estudo 'Impacto da Dor Crónica nos Cuidados de Saúde Primários' revelam que, em Portugal, cerca de 34,6% da população adulta tem dor crónica. O estudo pioneiro, realizado por profissionais de saúde, e que decorre em contexto de consulta nas Unidades de Saúde Familiar (USF) de norte a sul do país, pretende avaliar a prevalência da dor crónica nos cuidados de saúde primários.

Dor Crónica afeta 35% dos portugueses nos cuidados de saúde primários
Notícias ao Minuto

19:00 - 18/06/18 por Liliana Lopes Monteiro  

Lifestyle Inimigo invisível

Os dados foram divulgados no âmbito do Fórum Futuro 2018, uma das maiores e mais reconhecidas reuniões sobre a temática da Dor em Portugal, promovida pela Grünenthal, e que reuniu cerca de 300 especialistas nacionais e internacionais na área da dor. 

Os números apresentados, e que se referem à população acompanhada nos cuidados de saúde primários, revelam que a prevalência da dor crónica nas mulheres é de 75,7%, face aos 24,3% na população masculina, e verifica-se, sobretudo, em indivíduos com idades entre os 65 e os 74 anos (27,9%). A patologia mais frequente entre os doentes avaliados é a lombalgia, seguindo-se de dor nos membros inferiores e nos membros superiores – ombros e pescoço.

No que respeita à intensidade da dor, a maioria dos indivíduos define a sua dor como moderada a grave (5 a 6 pontos na escala numérica). Os doentes apresentam, em média, oito anos de duração de sintomas e um diagnóstico efetivo de dor com cerca de cinco anos de evolução.

“A dor crónica é altamente incapacitante e provoca grande impacto na qualidade de vida do doente, no entanto, continua a ser bastante desvalorizada pela população, e a causar encargos sociais e económicos avultados”, refere Filipe Antunes, assistente hospitalar de Medicina Física e Reabilitação no Hospital de Braga e coordenador do estudo.

O especialista, que integra também a Unidade de Dor deste hospital, acrescenta: “Os dados já recolhidos revelam-nos também a necessidade de continuar a apostar na formação médica na área da dor, sobretudo, nos cuidados de saúde primários, já que estes representam o primeiro contacto entre o doente e o médico e são o ponto de partida para a avaliação, diagnóstico e tratamento efetivo da dor crónica”.

A dor crónica continua a representar encargos sociais e económicos muito significativos, sobretudo a nível do absentismo laboral, sendo que 48,6% dos indivíduos estão reformados e 15% encontram-se em situação de baixa médica devido à incapacidade provocada pela dor.

Tendo a Grünenthal como promotor, e a decorrer desde setembro de 2017, este estudo observacional, multicêntrico, ainda ativo e em curso, incide nas Administrações Regionais de Saúde (ARS) do Norte, Centro, Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo e Algarve. Até ao momento, foram monitorizados 37 centros de recrutamento, com cerca de 4700 consultas e 1600 doentes com dor crónica, dos quais foram recrutados 334 para caracterização.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório