Meteorologia

  • 24 JUNHO 2024
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 29º

"O papel é perfeito para mim. Hollywood é lugar difícil, mas houve magia"

O Fama ao Minuto publica, em exclusivo em Portugal, uma entrevista com a atriz Annabeth Gish da série 'Mayfair Witches', que se estreia esta segunda-feira, dia 27 de maio, no canal AMC.

Notícias ao Minuto

08:45 - 27/05/24 por Notícias ao Minuto

Fama Annabeth Gish

A vida está cheia de surpresas e que o diga Annabeth Gish. Quando, aos 19 anos, comprou o livro 'A Hora das Bruxas', de Anne Rice, estava longe de imaginar que um dia viria a interpretar uma das personagens da série baseada no livro 'Mayfair Witches', que se estreia esta segunda-feira, pelas 22h10, no canal AMC. 

O livro conta a história de Rowan (Alexandra Daddario), uma neurocirurgiã de sucesso que tem um segredo que a assombra: mata pessoas com a mente quando a fúria toma conta de si. 

Adotada em bebé e sem saber nada sobre as suas origens, decide procurar a sua família biológica. Entretanto, descobre que descende de uma família de feiticeiras e que a sua mãe é Deirdre Mayfair, que vive em Nova Orleães, presa numa casa. 

Leia, abaixo, a entrevista à atriz que o Fama ao Minuto publica em exclusivo em Portugal.  

O papel é perfeito para mim. Senti-me honrada. Não sou ingénua, sei que Hollywood é um lugar difícil, mas acredito que houve alguma magia neste processo

Pode-nos falar do momento em que descobriu 'A Hora das Bruxas' aos 19 anos e os aspetos sobre a Rowan que a fascinaram?

Ainda tenho o meu exemplar, com 600 páginas, mordidelas de cão e nódoas de chá. Não tinha lido grande coisa de Anne Rice, penso que essa foi a minha apresentação à escritora. Sempre tive interesse pelo fantástico e o livro foi uma janela incrível para o mundo da magia, do empoderamento feminino e da feitiçaria. A manipulação do mal e do bem, da luz e da escuridão - a história apresentou-me isso também. 

Adorei que a Anne Rice tenha criado uma protagonista na casa dos 20 anos, neurocirurgiã de sucesso, inteligente, mas que também tinha um lado desconhecido. Lembro-me de chamar o meu agente e de dizer: 'Já li este livro'. Depois descobri que o Mark Johnson e a AMC estavam a fazer uma série baseada nele. Eu já tinha trabalhado com o Mark e a AMC em 'Halt and Catch Fire', experiência que adorei. 

A narrativa do poder feminino subliminar ao longo da história é um tópico relevante. Se for sob o pretexto da feitiçaria, se esse for o contexto narrativo, então apoio, porque acredito que há aqui um lado de empoderamento para as mulheres 

Como é que conseguiu o papel de Deirdre Mayfair?

Descobri que a Esta [Spalding - criadora] estava envolvida e falei com ela. Nem sequer pensei nisso na altura, só queria dar-lhe os parabéns porque já conhecia o trabalho, o gosto e o intelecto dela. Sabia que era a pessoa perfeita para o projeto.  

Entretanto, apareceu a oportunidade de fazer uma audição e pensei: 'Meu Deus, eu consigo fazer isto! O papel é perfeito para mim'. Senti-me honrada. Não sou ingénua, sei que Hollywood é um lugar difícil, mas acredito que houve alguma magia neste processo.

Deve ter ficado muito entusiasmada quando entrou neste universo.

Muito! Uma das causas que apoio é o empoderamento feminino. As histórias de mulheres precisam de ser contadas. A narrativa do poder feminino subliminar ao longo da história é um tópico relevante. Se for sob o pretexto da feitiçaria, se esse for o contexto narrativo, então apoio, porque acredito que há aqui um lado de empoderamento para as mulheres.

É uma metáfora para nós enquanto pessoas - não quero dizer apenas mulheres. Podemos abraçar tanto a escuridão como a luz para o nosso bem

A Deidre passou muitos anos na sombra de sedativos e tranquilizantes, sempre na esperança de manter os poderes e a sexualidade. Pode falar um pouco sobre o 'despertar' da personagem e das cenas que gravou com o ator Jack Huston? Percebe-se uma grande intimidade e ternura nelas, mas não deixam de ser assustadoras.

Queríamos ter um equilíbrio entre a ternura e a intimidade, porque ele é a única pessoa que está com ela num mundo obscuro. Ela está completamente abatida e desencorajada. Ele, como amigo dela, é seu aliado. 

E, uma vez mais, isto é uma metáfora para nós enquanto pessoas - não quero dizer apenas mulheres. Podemos abraçar tanto a escuridão como a luz para o nosso bem. Há uma sensualidade na relação com o Lasher [personagem de Jack Huston], porque ela está a usá-lo e ele a ela. Mas também há muita escuridão. 

É mesmo uma vida perdida. Nunca pensei sentir-me tão angustiada por ela, mas senti!

Quando a Deirdre finalmente emerge desta névoa induzida, o Lasher diz-lhe que a filha dela está viva e ela fica determinada em conhecê-la. O momento em que ela emerge da casa é tocante. Infelizmente, a sua jornada para se reencontrar com Rowan é cortada de forma abrupta. Vamos falar sobre o final do segundo episódio - como foi gravá-lo?

Foi muito difícil. Estava frustrada tecnicamente enquanto atriz porque usava uma peruca, estava numa cadeira de rodas, tinha lentes de contacto e não podia usar o meu corpo para me exprimir. 

Não tínhamos muito tempo para contar a história da Deirdre, nem o seu despertar, por isso, tivemos de o fazer de forma breve. Havia uma licença dramática, mas uma mulher que esteve de cadeira de rodas durante tanto tempo não conseguiria subir escadas. É um momento dramático em que ela fica finalmente livre. 

Para mim, foi tocante gravar essa cena, tanto física como emocionalmente, porque representa emoção, movimento, expressão. Foi um momento muito bonito e mítico. Ela finalmente enfrenta a Carlotta pela primeira vez no final do segundo episódio. Recupera o seu poder para depois, infelizmente, vê-lo tragicamente frustrado.

Será que ela teve aquele momento de contacto com a filha no elevador? Foi real? Esta série foi um desafio para mim porque a Deirdre foi muito ferida. 

É impossível ficar indiferente à tragédia que é a vida de Deirdre.

Eu sei! É mesmo uma vida perdida. Nunca pensei sentir-me tão angustiada por ela, mas senti!

Quando a Deirdre está a observar os objetos no seu quarto pega num globo de neve e pensa em todas as coisas que poderia ter feito, a reação imediata dela é esmagar o globo. Isso mostra aquilo por que ela passou. 

Exatamente. É uma metáfora perfeita para a frustração dela com a vida. E o globo de neve era de Paris. Ela sonhava ir lá. 

Na galeria acima, pode ver algumas imagens da série.

Leia Também: Susan Sarandon volta a ser empregada de mesa para exigir salários dignos

Recomendados para si

;

Receba as notícias dos famosos, realeza, moda e as mulheres mais elegantes.

O mundo das celebridades com fotos, vídeos e noticias de atores, atrizes e famosos.

Obrigado por ter ativado as notificações de Fama ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório