Meteorologia

  • 21 ABRIL 2024
Tempo
25º
MIN 15º MÁX 26º

"O facto de uma amante não ter sido só e apenas isso foi um problema"

O diplomata José de Bouza Serrano publicou este ano a obra 'O Rei Sem Abrigo - Don Juan Carlos I de Espanha', na qual fala sobre a vida do antigo soberano espanhol, desde a infância até aos dias de hoje. Em entrevista ao Fama ao Minuto, o autor partilhou o que o motivou a contar esta história agora e falou sobre o episódio mais trágico da vida do rei emérito e aqueles que considera terem sido os maiores acertos e erros do seu percurso enquanto Chefe de Estado, que durou quase 40 anos.

"O facto de uma amante não ter sido só e apenas isso foi um problema"

José de Bouza Serrano é diplomata e esteve destacado em embaixadas de diversos países, entre os quais Espanha, onde fixou residência entre 1984 e 1989, altura em que coincidiu em diversas ocasiões com o então soberano, Juan Carlos I. 

Em janeiro de 2024 escreveu o livro 'O Rei Sem Abrigo - Don Juan Carlos I de Espanha', no qual conta a história de vida do rei emérito, desde a infância até aos dias de hoje, sem esquecer a conjuntura política que acompanhou todo este período.

Da ditadura franquista à monarquia constitucional, José de Bouza Serrano fala sobre a infância de Juan Carlos no exílio, a trágica morte do irmão mais novo, Don Alfonso, as amantes e as dívidas fiscais, entre outros temas que marcam a vida do rei emérito.

‘Sem abrigo’, é um título muito forte.  Mas como é que se classifica uma pessoa a quem não é permitido dormir no seu país, onde foi rei durante 40 anos?

Porque é que decidiu escrever este livro agora?

Este ano assinalam-se dez anos da abdicação do rei Juan Carlos, mas nem foi tanto por causa disso. Era uma coisa que eu queria ter feito há já algum tempo, por ser uma pessoa que admiro muito. Um dia, quando puserem os dois pesos na balança e virem bem o que ele fez pelo país, o seu fim de reinado acabará por ser, não esquecido, mas, no mínimo, desvalorizado. Não terá a importância que hoje em dia lhe damos.

Optou por um título forte - ‘O Rei Sem Abrigo - Don Juan Carlos I de Espanha’. Porquê esta escolha?

‘Sem abrigo’, é um título muito forte. Mas como é que se classifica uma pessoa que, por exemplo, vai à festa dos 60 anos da filha mais velha [a infanta Elena, celebrados no passado dia 23 de dezembro] e não lhe é permitido dormir no seu país, onde foi rei durante 40 anos?

Agora, olhando para trás, é fácil perceber que foi um erro (...) E é também difícil, quanto mais tempo passa e mais confiança se vai dando à pessoa, acreditar que ela nos vai atraiçoar desta forma 

O rei teve várias amantes ao longo da vida, sendo a mais conhecida Corinna Larsen, não só por ter sido um caso relativamente recente, como também pelo facto de a empresária ter sido paralelamente um apoio para o antigo soberano nos negócios. Considera que foi um erro Juan Carlos ter ‘misturado’ o lado sentimental com o profissional?

O facto de uma amante não ter sido só e apenas isso foi um problema. O mais que poderia ter acontecido era essa mulher ter sido revelada como amante do rei, mas ele teve várias e nunca isso foi um problema.

O problema está em tudo o resto. Ela criou duplo papel. No fundo, ele admirava-a muito fisicamente. Por outro lado, ela era uma mulher muito esperta, uma mulher de negócios, muito hábil e ele ficou seduzido por tudo isso. Além disso, ela assume um papel de destaque numa altura em que o rei tinha ficado sem o gestor dele e ela era ótima para o cargo, muito organizada, sabia muito bem apresentar as coisas. E entrou numa série de funções, incluindo junto dos ‘irmãos árabes’, como Juan Carlos chamava a alguns líderes dos Emirados. Talvez tenha sido esse o erro, ela acabou por saber demais.

Não considera essa atitude do rei um pouco ingénua?

Completamente. Ele sempre acreditou na sua ‘boa estrela’ e achou que ela se tinha apaixonado perdidamente por ele, com aquela idade… como se ele fosse eternamente jovem! Considerou que ela nunca iria ‘pôr a boca no trombone’ e contar o que sabia [sobre os negócios com a Arábia Saudita, que valeram a Juan Carlos uma avultada dívida às Finanças e a saída de Espanha]. Agora, olhando para trás, é fácil perceber que foi um erro, mas na altura talvez não fosse assim tão óbvio. E é também difícil, quanto mais tempo passa e mais confiança se vai dando à pessoa, acreditar que ela nos vai atraiçoar desta forma.

Ele nasceu no exílio e, neste momento, ninguém diz que ele está nessa condição. Mas no fundo é um exílio

Diz-se que o rei a certa altura quis divorciar-se da rainha Sofía para se casar com esta amante…

Claro, mas ela nunca, nunca se iria divorciar. E muito menos depois das traições e de tudo o que aguentou ao longo de tantos anos. E ela, sendo grega, goza de popularidade entre os espanhóis, que é coisa, por exemplo, que com a Rainha Letizia, que é espanhola, já não acontece tanto.

Porque é que Juan Carlos terá decidido abdicar do trono ainda antes de celebrar 40 anos de reinado?

O rei nem abdicou logo, porque achava que o casamento dos então príncipes de Astúrias – Felipe e Letizia - não estava ao nível de solidez e popularidade do dele com a rainha Sofía. Por outro lado, o seu apego ao poder também contou. Ele passou por muito, teve de ‘comer cobras e lagartos’ para chegar ao trono, queria muito celebrar os 40 anos de reinado e isso não lhe foi permitido.

Depois, foram uma série de acontecimentos que precipitaram o fim, incluindo aquela caçada no Botswana. Numa altura em que o país enfrentava dificuldades - tal como Portugal – o rei ausentar-se para fazer uma caçada sem avisar ninguém… Poderia ter passado despercebido, não fosse o terrível acidente que sofreu [caiu e fraturou a anca], que o obrigou a ser transportado para Madrid para ser operado.

Estou convencido de que, apesar das divergências dos últimos anos, a vontade do filho [Felipe VI] é que o pai regresse. Se nas próximas eleições houver uma viragem à Direita – qualquer Direita -, acho que o rei voltará 

Desde agosto de 2020 que o rei reside fora de Espanha, nos Emirados Árabes Unidos...

Ele nasceu no exílio e, neste momento, ninguém diz que ele está nessa condição. Mas no fundo é um exílio.

O que é que teria de acontecer para Juan Carlos poder deixar Abu Dhabi e regressar a Madrid?

Basta este governo sair, basta Pedro Sánchez sair. Estou convencido de que, apesar das divergências dos últimos anos, a vontade do filho [Felipe VI] é que o pai regresse. Se nas próximas eleições houver uma viragem à Direita – qualquer Direita -, acho que o rei voltará.

Qual considera que foi o maior erro no percurso do rei ao longo das quase quatro décadas em que reinou?

Ter acreditado demasiado na sua ‘boa estrela’ e na sua intuição. E depois, ter tido uma grande necessidade de ser feliz. Ou seja, de ter uma série de coisas de que se privou durante muito tempo, nomeadamente durante a infância e adolescência, em que imperou a ditadura de Franco.

Ele achou sempre que ia escapar dos problemas, até porque durante muito tempo havia um certo pacto com a imprensa [de não atacar a imagem da monarquia]. Mas os tempos mudaram. As traições são mal vistas, muito pior do que antigamente e claro, compreende-se, é uma questão de moral.

E o maior acerto?

Sem dúvida, levar a democracia para Espanha, após o regime franquista, algo que parecia impensável. E, além disso, conseguir mantê-la.

Ele teve tudo, chegou até mais longe do que sonharia ter chegado, conseguiu uma popularidade extraordinária e mudou o radicalmente o país. Mas nada disso lhe tira aquela mágoa que ele tem 

Há um capítulo no livro no qual refere que existem pessoas que acreditam que são amigas dos reis, por se moverem nos mesmos círculos, mas que isso não podia estar mais longe da verdade. Quer explicar?

Claramente não são. Os amigos do rei são os seus parentes, aqueles que são iguais a ele. Os restantes são pessoas que podem ser úteis num certo momento do reinado, mas que depois... Os reis são educados para serem bem educados. Portanto, são pessoas atenciosas, o que faz com que quem se relaciona com eles, mas não pertença à sua família, acredite sempre que está mais próximo do que realmente está. É apenas uma relação de conveniência.

Na obra diz que Juan Carlos não gosta de ser tratado por ‘rei emérito’. Porquê?

De facto, não gosta. Porque dá uma ideia de fim, de um reinado que já acabou, e isso não é uma ideia que lhe agrade. Mas tem de ser, até para o distinguir do filho, que é quem agora reina.

Considera que, atualmente, o povo espanhol é um pouco ingrato em relação a Juan Carlos, desconsiderando a conjuntura política que o levou a ascender e a manter-se no trono?

As novas gerações talvez, porque nunca viveram no franquismo. Não sabem o que se passou. Já nasceram em democracia e acham que foi sempre assim. O grande problema hoje em dia, principalmente das novas gerações, é uma certa falta de perspetiva histórica. Mas vejo acontecer o mesmo em Portugal.

É possível que toda a gente faça pouco dela. Onde já se viu a neta do rei a fazer essas figuras?

Quando era ainda adolescente Juan Carlos encontrava-se com o irmão, Alfonso, quando uma desgraça aconteceu. Ambos tinham uma pistola, que disparou acidentalmente e matou o mais novo dos filhos dos condes de Barcelona. Diz-se – ainda que nunca tenha sido comprovado – que era Juan Carlos quem segurava a arma…

Aquele episódio marcou-o para a vida toda. Mas ele soube sempre esconder bem isso. No entanto, o rei tem um olhar triste, um olhar melancólico. Ele teve tudo, chegou até mais longe do que sonharia ter chegado, conseguiu uma popularidade extraordinária e mudou o radicalmente o país. Mas nada disso lhe tira aquela mágoa que ele tem.

Regressando agora à atualidade, Victoria Federica – neta de Juan Carlos e filha da infanta Elena – decidiu há cerca de dois anos ‘abraçar’ a vida de influenciadora digital e vai até, em breve, entrar num reality show, 'El Desafío'. Como é que vê isso?

Vejo pessimamente. Não pode chegar a isso, de maneira nenhuma. As pessoas têm de guardar o seu círculo. Não é que não se possam dar com toda a gente, claro que podem, mas não foram criadas para isso [participar em programas televisivos e ter uma vida demasiado exposta]. Lamento, mas não se pode misturar desta forma. É possível que toda a gente faça pouco dela. Onde já se viu a neta do rei a fazer essas figuras?

Juan Carlos diz que gostaria de ser lembrado por ter cumprido o seu dever e por ter sido honesto. E isto não será possível

Acredita que Juan Carlos, olhando para todo o seu percurso enquanto monarca, terá alguma grande mágoa?

Acho que ele tem. Por estes últimos anos mais tristes. Juan Carlos diz que gostaria de ser lembrado por ter cumprido o seu dever e por ter sido honesto. E isto não será possível, não só pelos escândalos que salpicaram os seus últimos anos de reinado e de vida, como também pelo facto de ser preciso sempre um rei manter uma certa distância e alguma discrição e segredo. Tudo isso faz com que seja difícil que venha a ser recordado pela honestidade.

Qual o seu próximo projeto?

Para já não tenho nada em mãos. Gostava muito de escrever um romance, mas não sei se serei capaz! [risos] Seria uma obra com base nos meus 40 anos no Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Leia Também: Infanta Elena em Abu Dhabi para passar a Páscoa com Juan Carlos

Recomendados para si

;

Receba as notícias dos famosos, realeza, moda e as mulheres mais elegantes.

O mundo das celebridades com fotos, vídeos e noticias de atores, atrizes e famosos.

Obrigado por ter ativado as notificações de Fama ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório