Meteorologia

  • 31 MAIO 2020
Tempo
27º
MIN 19º MÁX 29º

Edição

"Trump está a fazer um trabalho terrível repetindo mentiras e falsidades"

O cantor norte-americano John Legend considera que o presidente Donald Trump está a fazer "um trabalho terrível" no combate à propagação da pandemia de covid-19, mostrando-se mais preocupado "com o mercado bolsista do que com a saúde" da população.

"Trump está a fazer um trabalho terrível repetindo mentiras e falsidades"
Notícias ao Minuto

11:15 - 28/03/20 por Lusa

Fama John Legend

O cantor norte-americano John Legend considera que o presidente Donald Trump está a fazer "um trabalho terrível" no combate à propagação da pandemia de Covid-19, mostrando-se mais preocupado "com o mercado bolsista do que com a saúde" da população.

Em entrevista à Lusa, ao telefone a partir de Los Angeles, John Legend lamentou que o seu país, os Estados Unidos, "não esteja a lidar corretamente" com a pandemia da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

"O presidente Trump está a fazer um trabalho terrível, repetindo mentiras e falsidades e brincadeiras nas conferências de imprensa diárias, e não está a demonstrar o tipo de liderança moral de que precisamos", defendeu John Legend, acrescentando que o chefe de Estado norte-americano "parece mais preocupado com os índices de aprovação e o mercado bolsista do que com a saúde e o bem-estar do povo norte-americano".

O cantor está "muito preocupado" com o facto de a situação "não estar a correr bem" e Donald Trump "estar a torná-la pior".

"Felizmente, temos um sistema federal no qual os estados têm muito poder. E os estados têm governadores que são de facto responsáveis e estão a agir corretamente. Eles são capazes de substituir a incompetência do presidente algumas vezes, mas não funciona sempre assim", afirmou.

John Legend receia que com a situação atual as diferenças sociais fiquem mais aprofundadas no país e considera haver coisas que "a sociedade e o governo podem fazer para mitigar isso".

"Mas estou muito preocupado que o que realmente vai acontecer vá exacerbar as desigualdades de rendimentos, que seja ainda mais difícil para os pobres e a classe trabalhadora sobreviver e prosperar no nosso país. Não estou tão familiarizado com as políticas de outros países, mas sei que é uma questão muito importante aqui e estou preocupado com isso", partilhou.

Em novembro, haverá eleições presidenciais nos Estados Unidos, e John Legend espera que os norte-americanos "consigam ver os inconvenientes [de o país] ter um presidente tão incompetente, tão egoísta e tão mentiroso, que não tem competência para ser o líder da nação mais rica do mundo".

"Ele simplesmente não devia estar no comando agora, e vê-lo atuar numa crise torna isso ainda mais claro, e espero que os norte-americanos vejam isso", disse.

Tudo aponta para que Joe Biden seja o candidato Democrata a enfrentar Donald Trump nas eleições de novembro e John Legend espera "que faça um bom trabalho".

"Espero que ele defenda fortemente a nova direção que o país tem que tomar. Ele vai ganhar as eleições do Partido Democrata e espero que seja capaz de convencer norte-americanos suficientes de que precisamos de uma nova direção", afirmou.

O setor cultural tem sido um dos principais afetados, a nível mundial, por causa da pandemia da covid-19, com espetáculos e digressões a serem adiados ou cancelados.

O músico lembra que "começou a atingir a indústria do entretenimento bem cedo, porque a partir do momento que as autoridades dizem às pessoas que não podem juntar-se em grandes grupos, há espetáculos que começam a ser cancelados".

A próxima digressão de John Legend só começa no verão, em julho na Europa, com uma data em Portugal (03 de julho em Cascais, no CoolJazz Fest), e em agosto e setembro nos Estados Unidos, mas o músico já teve "vários eventos que deveriam acontecer em março, abril e maio cancelados ou adiados".

"Obviamente que, como um artista de sucesso, tenho uma almofada para enfrentar este tipo de situações. Mas muitas pessoas que têm empregos para pagarem as contas e os ajudar a viver de semana em semana, não têm poupanças ou a almofada que lhes permite não trabalhar durante semanas ou meses seguidos", salientou, mostrando-se consciente de que "é realmente difícil para muita gente".

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 540 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 25 mil. Dos casos de infeção, pelo menos 112.200 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com mais de 292 mil infetados e quase 16 mil mortos, é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 8.165 mortos em 80.539 casos registados até quinta-feira.

Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as notícias dos famosos, realeza, moda e as mulheres mais elegantes.

O mundo das celebridades com fotos, vídeos e noticias de atores, atrizes e famosos.

Obrigado por ter ativado as notificações de Fama ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório