Meteorologia

  • 27 MAIO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Inquérito conclui que Novo Banco em Cabo Verde nunca foi banco social

A criação do Novo Banco em Cabo Verde foi uma decisão política do anterior Governo e desviou-se do objeto social, concluiu a Comissão Parlamentar de Inquérito à resolução da instituição, que esta segunda-feira apresentou o seu relatório no Parlamento.

Inquérito conclui que Novo Banco em Cabo Verde nunca foi banco social
Notícias ao Minuto

20:30 - 23/04/18 por Lusa

Economia Economia

Segundo as conclusões da Comissão de Inquérito, a criação do Novo Banco (NB), em 2010, foi uma "decisão política" do anterior Governo do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), que não dotou a instituição de capital inicial suficiente.

Com um capital inicial mínimo de 300 milhões de escudos (2.7 milhões de euros), o inquérito concluiu que no dia seguinte à sua criação, o banco já tinha "necessidade de reposição dos fundos próprios".

O documento, apresentado pelo deputado do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV) Manuel Inocêncio Sousa, que presidiu a Comissão, assinala que o banco se desviou do seu objeto inicial, não obstante ser de "caris universal".

"É completamente falso que o Novo Banco tenha sido um banco social. Não existiu e nem existe ainda hoje um banco social em Cabo Verde", lê-se no relatório.

O inquérito referiu ainda que o anterior Governo nunca capitalizou o banco de forma adequada, apesar de haver um plano de capitalização de 900 milhões de escudos (8.1 milhões de euros) em dois anos e chegar aos dois mil milhões de escudos (18.1 milhões de euros) no quinto ano.

"A consequente degradação da situação do Banco levou à intervenção do BCV em janeiro de 2016, condicionando o exercício da sua atividade", prosseguiu o relatório, indicando que nunca se conseguiu um parceiro estratégico credível e disponível em investir no Novo Banco.

A Comissão Parlamentar de Inquérito concluiu que o Presidente da Comissão Executiva tinha um vencimento base de 566.170 escudos (5.134 euros), e que, com outras remunerações e benefícios, recebia um "salário astronómico" de 900 mil escudos (8.162 euros) e "escondido dos Administradores".

"Para um Banco Social, e à nascença, é impensável alguém receber salário neste montante", lê-se no documento.

A criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) foi requerida pelo Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV).

O relatório foi aprovado na comissão com os cinco votos favoráveis dos deputados do Movimento para a Democracia (MpD, no poder) e votos contra dos três deputados do PAICV (oposição).

No debate no Parlamento, o deputado do PAICV João Batista Pereira sustentou, por seu lado, que "não se confirmou o desvio do objeto social do Novo Banco" e que a instituição tinha autorização para praticar as operações permitidas pela lei.

O deputado salientou também que, durante as audições, não se confirmaram as "excessivas remunerações" dos administradores.

Por sua vez, o deputado do Movimento para a Democracia Luís Alves disse que existem indícios que podem conformar crimes, além de vários processos de contraordenação instaurados pelo Banco de Cabo Verde.

O banco central cabo-verdiano (BCV) decretou, no ano passado, a resolução e venda à Caixa Económica de Cabo Verde de parte da atividade do Novo Banco, uma instituição de capitais quase exclusivamente públicos, com cerca de 13.200 depositantes ativos e vocacionado para a economia social e o microcrédito.

A resolução do Novo Banco foi o primeiro passo para a sua extinção administrativa que representará um prejuízo estimado em cerca de 16,3 milhões de euros para os cofres do Estado, deixando cerca de 60 trabalhadores no desemprego.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.