Meteorologia

  • 21 OUTUBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 16º

Edição

Angola espera que mercados financeiros sejam mais favoráveis do que o FMI

O ministro das Finanças de Angola disse hoje que espera que as medidas aprovadas e o apoio técnico do Fundo Monetário Internacional (FMI) crie condições para captar recursos financeiros em condições mais favoráveis do que as oferecidas pelo Fundo.

Angola espera que mercados financeiros sejam mais favoráveis do que o FMI
Notícias ao Minuto

19:40 - 21/04/18 por Lusa

Economia Archer Mangueira

Em entrevista à Lusa em Washington, à margem dos Encontros da Primavera, que decorrem até domingo, Archer Mangueira, quando questionado sobre a razão de não recorrer ao financiamento do FMI e optar pelos mercados financeiros, explicou que isso se deve à convicção de que os mercados internacionais de capitais podem oferecer condições mais vantajosas depois das reformas.

"O programa de coordenação de políticas [que Angola assinou com o FMI esta semana] tem duas opções, com ou sem financiamento", disse Archer Mangueira, acrescentando: "Normalmente os países recorrem a programas com financiamento para financiar a balança de pagamentos, mas o nosso défice da balança de pagamentos tem vindo a reduzir-se nos últimos anos", vincou o governante.

"Também acreditamos que o programa de estabilização macroeconómico em curso, e que no fundo vai ser a base de um programa de coordenação de políticas, ao ser concretizado, vai certamente criar um ambiente para a captação de recursos financeiros junto dos mercados internacionais de capitais em condições muito mais favoráveis", acrescentou o ministro das Finanças angolano.

Archer Mangueira vai de Washington diretamente para Nova Iorque, onde na segunda-feira dará início a um 'roadshow' (apresentação aos investidores) da emissão de dívida pública em moeda estrangeira ('eurobond') no valor mínimo de 2 mil milhões de dólares, para a qual espera uma taxa de juro na ordem dos 7%, abaixo dos 9,5% de lançamento da última emissão, há três anos.

Antes, durante a conferência dos ministros das Finanças africanos, na qual participou juntamente com os seus homólogos da Nigéria, Somália e São Tomé e Príncipe, Archer Mangueira já tinha dito que, apesar dos "sucessos alcançados" desde a queda do preço das matérias-primas, em 2014, "Angola ainda tem muitos desafios para colocar a economia numa trajetória de crescimento sustentado".

Para ajudar nesses desafios, o país vai continuar a trabalhar com o FMI, do qual é membro desde 1989, "com fases intensas e outras menos positivas", vincou.

Recordando os programas de apoio já completados durante esta década, Mangueira salientou que os técnicos do Fundo fizeram, no âmbito da análise ao país ao abrigo do artigo IV, "muitas recomendações úteis, sobre como implementar a consolidação fiscal, a mobilização de receitas internas e as reformas estruturais".

Essas preocupações, garantiu, "estão bem refletidas no Orçamento Geral do Estado e no Plano Nacional de Desenvolvimento, e algumas delas estão já em curso e irão melhorar a capacidade do país implementar o novo quadro operacional da política fiscal para criar emprego e estimular o investimento".

O objetivo, concluiu, é "ampliar os esforços para a reforma e continuar o envolvimento com o FMI para sustentar os ganhos até agora, buscando assistência técnica para o desenvolvimento das capacidades para sustentar as reformas".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório