Meteorologia

  • 18 NOVEMBRO 2019
Tempo
12º
MIN 9º MÁX 16º

Edição

Linhas telefónicas '707' violam a lei, diz provedora de Justiça

Vários serviços públicos e empresas detidas pelo Estado continuam a utilizar linhas telefónicas com o prefixo '707', que significa custos acrescidos.

Linhas telefónicas '707' violam a lei, diz provedora de Justiça
Notícias ao Minuto

11:59 - 06/04/18 por Lusa

Economia Custos

A provedora de Justiça chamou a atenção para a existência de vários serviços públicos e empresas detidas pelo Estado que continuam a utilizar linhas telefónicas de custo acrescentado para contacto com utentes, desrespeitando a legislação.

A chamada de atenção surge após a provedora, Maria Lúcia Amaral, ter recebido várias queixas sobre os custos acrescidos associados à utilização destas linhas e foi divulgada hoje numa nota enviada à comunicação social.

A provedora considera que a utilização de linhas telefónicas de custo acrescentado para o contacto com cidadãos não é permitida no âmbito de relações jurídicas de consumo, como linhas de apoio e de assistência técnica pós-venda por parte de operadores privados e do setor empresarial do Estado.

Vários serviços públicos como a Direção-Geral do Consumidor, o Instituto da Segurança Social e a ADSE já abandonaram os números '707'.

Também a Autoridade Tributária e Aduaneira deu conta do cessamento da linha '707', apesar de este continuar a constar nas notificações enviadas aos contribuintes.

Na nota de imprensa, a provedora considera ainda que, em relação à tarifa-base, "a utilização de contactos telefónicos com o prefixo 707 pode ser especialmente penalizadora para utentes e consumidores em chamadas mais demoradas, como sucede frequentemente em caso de pedidos de esclarecimento ou de assistência técnica pós-venda".

O Governo assegurou que estão a ser desenvolvidos esforços para dar resposta às questões colocadas pela provedora e informou que a "Linha da Juventude" abandonará o '707' e irá passar a ser gratuita no segundo trimestre de 2018.

A CP - Comboios de Portugal, 100% detida pelo Estado, e os CTT, de que o Estado tem 30% desde a sua privatização em 2013, comunicaram que estão a estudar alternativas a estas linhas de custo acrescido para os clientes.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório