Meteorologia

  • 22 SETEMBRO 2018
Tempo
23º
MIN 22º MÁX 25º

Edição

Tripulantes da Ryanair marcam greve de três dias no período da Páscoa

Os tripulantes de cabine da Ryanair anunciaram hoje que vão estar em greve nos dias 29 de março, 1 e 4 de abril, exigindo o cumprimento da legislação laboral.

Tripulantes da Ryanair marcam greve de três dias no período da Páscoa
Notícias ao Minuto

18:29 - 22/02/18 por Lusa

Economia SNPVAC

"Considerando que é de toda a legitimidade os tripulantes de cabine ao serviço da Ryanair exigirem o cumprimento da Constituição da República e [tendo em conta] que a Ryanair não cumpre a legislação laboral [e] que as condições de trabalho se têm deteriorado nos últimos anos [...], este sindicato vem apresentar um pré-aviso de greve a realizar no dia 29 de março e nos dias 1 e 4 de abril", lê-se no aviso do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), publicado hoje na imprensa.

O SNPVAC indica que a greve é decretada para todos os voos, cujas horas de apresentação ocorram entre as 00h00 e as 23h59 dos dias em questão, bem como para os demais serviços, como "assistência ou qualquer tarefa no solo".

De acordo com o sindicato, os tripulantes de cabine da companhia irlandesa têm sofrido "'bullying', processos disciplinares abusivos, condicionamento psicológico, ameaças de transferência de base", em caso de não cumprimento dos objetivos de vendas estipulados, e "o total desrespeito" pelas leis da parentalidade, tornando a situação laboral na empresa "insustentável".

Em 15 de fevereiro, após uma assembleia-geral de emergência, os tripulantes de cabine da Ryanair acordaram o agendamento de três dias de greve em março e abril, não tendo apontado, na altura, a data concreta para a sua realização.

Segundo a moção aprovada na altura, a que a Lusa teve acesso, os tripulantes criticavam ainda a transportadora por não pagar um salário mensal mínimo, garantido em Portugal, aos trabalhadores contratados por duas agências e por só se garantir a retribuição mínima se houver uma redução salarial.

À empresa foi também apontada a existência de "contratos precários há mais de 10 anos", a recusa em tratar os tripulantes com o "mínimo de respeito e dignidade humana, exigível a qualquer empresa a laborar em Portugal", e o adiamento do diálogo com os sindicatos dos tripulantes.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório