Meteorologia

  • 22 MAIO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 16º

Edição

Exportações crescem acima de 10% em 2017

As exportações e as importações registaram em 2017 uma "significativa aceleração", aumentando 10,1% e 12,5% face a 2016, tendo o ano terminado com um agravamento do défice comercial para 13.843 milhões de euros, divulgou hoje o INE.

Exportações crescem acima de 10% em 2017
Notícias ao Minuto

12:01 - 09/02/18 por Lusa

Economia INE

Segundo as 'Estatísticas do Comércio Internacional' do Instituto Nacional de Estatística (INE), o aumento de 10,1% das exportações em 2017 representa uma "significativa aceleração" relativamente ao acréscimo de 0,8% verificado em 2016, enquanto a subida de 12,5% das exportações traduz uma "acentuada aceleração" relativamente ao crescimento de 1,5% do ano anterior.

No final de 2017, o défice da balança comercial atingiu 13.843 milhões de euros em 2017, um agravamento de 2.622 milhões de euros face ao ano anterior que se refletiu num decréscimo da taxa de cobertura em 1,8 pontos percentuais, para 79,9%.

Excluindo os combustíveis e lubrificantes, as exportações e as importações cresceram, respetivamente, 9,1% e 10,7% em 2017 (+2,3% e +5,1% em 2016) e o défice da balança comercial situou-se em 9.754 milhões de euros, correspondente a um aumento de 1.665 milhões de euros face a 2016.

Considerando apenas o mês de dezembro de 2017, as exportações e as importações de bens registaram variações homólogas nominais de, respetivamente, +0,1% e -0,8%, desacelerando ambas face ao mês anterior (+11,6% e +10,4% em novembro de 2017, pela mesma ordem).

Segundo o INE, esta desaceleração "reflete, em parte, o efeito de calendário", já que dezembro do ano passado teve menos dois dias úteis em relação ao período homólogo e menos três dias úteis em relação a novembro de 2017.

Excluindo os combustíveis e lubrificantes, em dezembro as exportações diminuíram 0,5% e as importações cresceram 1,3% (respetivamente +12,5% e +7,8% em novembro de 2017).

O défice da balança comercial de bens no último mês de 2017 foi de 1.382 milhões de euros, o que representa um decréscimo de 51 milhões de euros face ao mês homólogo de 2016. Excluindo os combustíveis e lubrificantes, a balança comercial atingiu um saldo negativo de 1.088 milhões de euros, correspondente a um aumento do défice de 79 milhões de euros em relação ao mesmo mês de 2016.

No quarto trimestre de 2017, as exportações e as importações de bens aumentaram, respetivamente, 8,3% e 10,0% face ao período homólogo.

Analisando o comportamento do comércio internacional em dezembro, verifica-se que o aumento homólogo de 0,1% das exportações se deveu ao aumento de 2,3% registado nas exportações para os países intra-UE (+15,8% em novembro de 2017), dado que no comércio extra-UE houve uma diminuição de 5,0% (+0,2% em novembro de 2017).

Já as importações diminuíram 0,8% em resultado da redução de 11,1% nas importações provenientes de países extracomunitários, uma vez que as importações intra-UE aumentaram 2,6% (respetivamente +18,1% e +8,5% em novembro de 2017).

Em dezembro de 2017, em relação às variações face ao mês anterior, as exportações diminuíram 21,9% e as importações decresceram 10,5%, sobretudo devido ao comportamento do Comércio intra-UE em ambos os fluxos.

Numa análise por grandes categorias económicas de bens, o INE destaca em dezembro, nas exportações, os aumentos homólogos registados no material de transporte (+12,5%), combustíveis e lubrificantes (+6,8%) e produtos alimentares e bebidas (+5,0%), enquanto nas importações salienta os decréscimos nos combustíveis e lubrificantes (-14,0%) e máquinas e outros bens de capital (-7,3%).

Em dezembro de 2017, tendo em conta os principais países de destino em 2016, os maiores crescimentos face ao mês homólogo de 2016 registaram-se nas exportações para Espanha, França e Bélgica (correspondente a +3,7%, +5,1% e +24,9%, respetivamente).

No caso dos principais fornecedores em 2016, em dezembro de 2017 as importações provenientes de Espanha apresentaram o maior aumento (+6,9%), tendo-se ainda destacado a diminuição das importações da Rússia (-68,9%), essencialmente devido às transações de combustíveis minerais.

PD // MSF

Lusa/Fim

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.