Meteorologia

  • 24 MAIO 2018
Tempo
16º
MIN 16º MÁX 17º

Edição

Números do desemprego são "extremamente positivos", diz Vieira da Silva

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social realçou hoje, em Coimbra, que os dados relativos à descida do desemprego "são extremamente positivos", mas que não se pode esquecer o caminho que ainda tem de ser percorrido.

Números do desemprego são "extremamente positivos", diz Vieira da Silva
Notícias ao Minuto

13:58 - 22/01/18 por Lusa

Economia IEFP

De acordo com dados do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), o número de desempregados inscritos nos centros de emprego baixou 16,3% em dezembro, face a igual mês de 2016, para 403.771 pessoas, e 0,2% face ao mês anterior, com o Ministério a destacar que este é o valor mais baixo desde outubro de 2008.

"Estes dados são, obviamente, extremamente positivos. São dados que todos os sinais apontam que se vão reforçar, mas que não nos fazem esquecer as dificuldades e o caminho que tem de continuar a ser percorrido", disse o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, que falava aos jornalistas após a cerimónia de entrega do prémio cooperação e solidariedade António Sérgio, que decorreu na antiga Igreja de São Francisco, em Coimbra.

O membro do executivo sublinhou que os dados hoje divulgados pelo IEFP são "uma boa notícia" e o "reconhecimento que, no espaço dos últimos dois anos, foram criados cerca de um quarto de milhão de novos empregos - empregos líquidos - e que esse emprego foi ainda mais forte do que a diminuição do desemprego".

Para Vieira da Silva, isto "quer dizer que foram trazidas pessoas para o mercado de trabalho que estavam fora do mercado de trabalho" e que a economia portuguesa apresentou "um dinamismo significativo".

"Não atingimos ainda os valores que possuíamos antes da crise, mas, ao nível do volume de desemprego, os valores já são próximos, se não idênticos", realçou.

O ministro considera que o atual contexto do emprego em Portugal permite que o Governo torne "mais forte o combate àqueles núcleos mais pesados, mais duros, mais difíceis do desemprego", como o desemprego de longa duração ou o desemprego jovem, nomeadamente os jovens que não trabalham nem estudam.

De acordo com os dados disponíveis na página do IEFP, para a diminuição do desemprego registado, face ao mês homólogo de 2016, contribuíram todos os grupos de desempregados, com destaque para os homens (menos 19,0%), os adultos com idades iguais ou superiores a 25 anos (menos 15,9%), os inscritos há menos de um ano (menos 16%), os que procuravam novo emprego (menos 16,4%) e os que possuem como habilitação escolar o 1.º ciclo do ensino básico (menos 20%).

Segundo o IEFP, o desemprego afetava em dezembro 44.414 jovens, o que representa uma redução homóloga de 19,7% (menos 10.920 jovens) e de 6,9% em termos mensais (o correspondente a menos 3.285 jovens).

Já o número de desempregados de longa duração apurado no final de dezembro foi de 192.996, diminuindo 16,7% em relação ao mês homólogo (menos 38.559 pessoas) e 0,8% em termos mensais (menos 1.463 pessoas).

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.