Meteorologia

  • 14 AGOSTO 2018
Tempo
27º
MIN 22º MÁX 29º

Edição

Presidente da CGD considera que banca não voltará ao crédito fácil

O presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos (CGD) considerou hoje que o sistema bancário não vai regressar ao crédito fácil, como no passado, considerando que há mais rigor na análise dos devedores, até pelas exigências da regulação.

Presidente da CGD considera que banca não voltará ao crédito fácil
Notícias ao Minuto

21:56 - 19/12/17 por Lusa

Economia Banco

"Não vamos voltar ao que aconteceu", disse Paulo Macedo, durante o X Encontro Fora da Caixa, em Lisboa, respondendo à questão do moderador Ricardo Costa, jornalista e diretor-geral de informação do group Imprensa (SIC, Expresso), sobre se a banca está a caminho dos excessos do passado.

O presidente da CGD considerou que os bancos mudaram muito em dez anos, quer em "rigor na concessão de crédito", quer pelas "exigências de capital" feitas pelos reguladores, uma vez que há créditos que podem penalizar o capital.

Além disso, afirmou, há menos riscos de atualmente se chegar a uma situação crítica de dificuldades de pagamento pelos devedores, uma vez que as taxas de juro estão em níveis historicamente baixos, pelo que mesmo que as taxas subam (o que os analistas preveem que aconteça em 2019 ou 2020) há ainda capacidade de famílias e empresas acomodarem esses aumentos.

Paulo Macedo disse ainda que a mudança não é apenas face há dez anos e que, mesmo em dois anos que muita coisa mudou na indústria bancária, dando como exemplo as exigências que o Banco Central Europeu faz aos administradores dos bancos e as regras dos comités de crédito relativamente a conflitos de interesse "como nunca tiveram no passado".

O Banco de Portugal pediu cuidado aos bancos na concessão de crédito, sobretudo crédito à habitação, avisando que muitas famílias podem não conseguir pagar a dívida de futuro, e anunciou mesmo que estava a ponderar adotar medidas para restringir acesso a crédito a devedores muito endividados.

O presidente do banco público foi ainda questionado sobre o impacto das 'fintech' (empresas tecnológicas de serviços financeiros) nos bancos, tendo dito que a CGD tem vindo a apostar na digitalização e em sistemas de análise de informação com vista a criar produtos adaptados as necessidades dos clientes.

Contudo, afirmou Paulo Macedo, é preciso saber avaliar as áreas em que as 'fintech' querem aturar, considerando que estão sobretudo interessadas em entrar no negócio dos bancos que é rentável, como serviços de pagamentos e crédito rápido (por exemplo, crédito ao consumo).

"Já das áreas 'core' dos bancos, as 'fintech' fogem como o diabo da cruz", afirmou, referindo-se aos depósitos (uma vez que têm elevada regulação e implicam grandes montantes de capital) e a créditos a médio e longo prazo.

"A banca tem de servir melhor na área de segurança, nos depósitos, e servir melhor na relação duradoura", considerou.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.