Meteorologia

  • 22 OUTUBRO 2018
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 13º

Edição

Governo "saúda facto de previsões do FMI convergirem com as nacionais"

Ministério das Finanças reage às conclusões da troika, conhecidas esta quinta-feira, de mais uma missão de monitorização pós-programa a Lisboa.

Governo "saúda facto de previsões do FMI convergirem com as nacionais"
Notícias ao Minuto

17:13 - 07/12/17 por Melissa Lopes 

Economia Ajuda Externa

O Ministério das Finanças reagiu à perspetiva otimista quer do Fundo Monetário Internacional (FMI) quer do Banco Central Europeu e Comissão Europeia face à economia portuguesa.

Os comunicados de ambas as missões confirmam os progressos positivos em áreas chave da economia portuguesa registados ao longo de 2017”, começa por sublinhar a tutela em comunicado, no qual o ministério de Centeno frisa a “confirmação do reforço da atividade económica alicerçada no aumento do investimento e das exportações, que confirma a abrangência e a sustentabilidade do crescimento económico”.

A par disso, faz sobressair, “também são reconhecidos desenvolvimentos no mercado laboral, com a queda do desemprego para mínimos desde 2008”.

O Governo salienta ainda que 90% do aumento líquido de emprego em 2017, distribuído por uma gama alargada de setores, corresponde a contratos permanentes. “O rigor da execução orçamental de 2016, com o cumprimento das metas estabelecidas pela Assembleia da República, encontra continuidade em 2017”, acrescenta.

Assim, o Ministério das Finanças saúda o facto de "as previsões do FMI - de mais uma missão de monitorização pós-programa - convergirem, agora, com as previsões nacionais”, bem como “merece reconhecimento o acelerado ritmo de redução da dívida pública que deverá registar, em dezembro próximo, a maior queda em 19 anos”.

Por fim, o Governo afirma que o rumo até agora seguido, “através de uma gestão rigorosa das contas públicas e do fomento da competitividade da economia, tendo por objetivo a promoção de um crescimento sustentado e inclusivo, numa perspetiva de médio e longo prazo”, é para prosseguir.

“Os desafios que se colocam ao país estão claramente identificados no Programa Nacional de Reformas (PNR)”, lembra, garantindo que a implementação do mesmo “de forma decidida”, dando assim “resposta a várias das preocupações expressas pelas instituições internacionais”, lê-se ainda.

De referir que, apesar do otimismo nas projeções, o FMI deixa avisos, salientando que a recuperação económica e as baixas taxas de juro "criam uma oportunidade auspiciosa para uma redução mais rápida da dívida pública", que estima que caia de 130,1% em 2016 para 125,8% e 2017 e para 123,7% do PIB em 2018.

De Bruxelas chegaram também avisos. A Comissão Europeia e o Banco Central Europeu (BCE) consideram que a recuperação económica de Portugal "voltou a ganhar ímpeto", mas alertam para que o ajustamento estrutural planeado "está em risco de se desviar significativamente" dos requisitos europeus.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório