Meteorologia

  • 15 DEZEMBRO 2017
Tempo
11º
MIN 10º MÁX 11º

Edição

Governo estima impacto da Web Summit de 300 milhões mas pode aumentar

A edição deste ano da cimeira de tecnologia e empreendedorismo Web Summit gerou um impacto de pelo menos 300 milhões de euros em áreas como hotelaria e transportes, estimou hoje o Governo, admitindo um valor final superior.

Governo estima impacto da Web Summit de 300 milhões mas pode aumentar
Notícias ao Minuto

10:02 - 18/11/17 por Lusa

Economia Valor

"Do ponto de vista de impacto direto, é estimado que, durante a semana da Web Summit, tenham sido gerados cerca de 300 milhões de euros, só nos serviços diretamente relacionados -- hotelaria, transportes, entre outros", disse a secretária de Estado da Indústria, Ana Teresa Lehmann, num balanço feito à agência Lusa.

De acordo com a governante, "o impacto real só poderá ser quantificado a médio prazo, porque este é um grande evento e tem repercussões duradouras, o que é excelente e, portanto, os 300 milhões de euros são uma subavaliação muito grande".

Referindo-se a dados da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP), falou num aumento de 20% na ocupação hoteleira nos dias do evento.

Segundo a organização da Web Summit, nesta segunda edição em Portugal participaram 59.115 pessoas de 170 países.

O evento decorreu entre 06 de novembro e 09 de novembro na zona do Parque das Nações.

Aludindo a "impactos mais qualitativos", Ana Teresa Lehmann indicou ter observado "importantíssimos contactos [...] neste enorme espaço de convergência entre empresas, investidores, 'startups', capitais de risco".

A aposta do executivo foi a de promover "ligações entre 'startups' e grandes grupos e investidores".

"As empresas com maior dimensão representam mercados imediatos aos quais as 'startups' podem vender os seus produtos e serviços", enquanto estas companhias com potencial de crescimento rápido "não têm problemas de alguma rigidez que têm os grandes grupos e podem decidir mais rapidamente e são também mais facilmente disruptivas", observou a responsável.

Ana Teresa Lehmann destacou ainda a "promoção da imagem de um Portugal moderno" através do evento, numa altura em que o país está "no mapa do empreendedorismo, da inovação e atração de investimento tecnológico".

A cimeira tecnológica, de inovação e de empreendedorismo nasceu em 2010 na Irlanda e mudou-se em 2016 para Lisboa por três anos, com possibilidade de mais dois de permanência na capital portuguesa.

Questionada sobre este alargamento da permanência, a governante notou que "as condições que Lisboa tem são ótimas".

"Vamos aguardar, a decisão não é nossa. Serão muito bem recebidos, se assim o entenderem", acrescentou.

Certa é a edição de 2018, ano durante o qual o Governo pretende "fazer mais e melhor e capitalizar mais o evento".

"Vamos ter um conjunto de iniciativas para que não seja só o grande evento em novembro, mas para que possamos ter ainda mais iniciativas durante o ano, de menor dimensão, mas também de grande relevância [...] de divulgação da presença portuguesa", referiu Ana Teresa Lehmann, aludindo a apostas na iniciativa já existente Road 2 Web Summit (que leva 'startups' nacionais à Web Summit) e à realização de eventos para aproximar estas empresas a investidores.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório