Meteorologia

  • 22 OUTUBRO 2017
Tempo
20º
MIN 20º MÁX 20º

Edição

Cerca de 728 mil trabalhadores receberam salário mínimo no 1.º semestre

Cerca de 728 mil trabalhadores portugueses recebiam, no primeiro semestre deste ano, o salário mínimo nacional, o que representa um aumento de 13,4% face ao mesmo período do ano passado, anunciou hoje o Governo.

Cerca de 728 mil trabalhadores receberam salário mínimo no 1.º semestre
Notícias ao Minuto

16:03 - 13/10/17 por Lusa

Economia Relatório

De acordo com o mais recente relatório de acompanhamento do acordo sobre a Remuneração Mínima Mensal Garantida - relativo aos primeiros seis meses deste ano e divulgado hoje pelo gabinete do ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social -, os trabalhadores abrangidos por este salário equivalem a 22,7% do total.

Na informação, a tutela salienta que, sempre que o valor do salário mínimo é reforçado, "o volume de trabalhadores abrangidos também aumenta", mas nota que isso "tem vindo a atenuar-se ao longo do tempo", fazendo com que o peso dos trabalhadores abrangidos por esta remuneração, face ao total, tenha vindo "a sofrer aumentos cada vez menores".

Assim, registou-se um acréscimo de 4,6 pontos percentuais após a atualização de outubro de 2014 e uma subida de 3,2 pontos percentuais na sequência da subida do montante em 2016, passando-se para um aumento de 1,8 pontos percentuais depois da atualização no início deste ano.

O salário mínimo esteve congelado nos 485 euros entre 2011 e outubro de 2014, quando o anterior governo PSD/CDS o aumentou para os 505 euros, na sequência de um acordo estabelecido entre o executivo, as confederações patronais e a UGT.

A contrapartida para os patrões foi uma descida de 0,75 pontos percentuais na Taxa Social Única (TSU) aplicada aos salários mínimos e paga pelas empresas.

Já com o executivo de António Costa, o valor do salário mínimo foi aumentado duas vezes - para os 530 euros em 2016 e para os 557 em 2017 -, sendo objetivo assumido pelo Governo continuar a subir o seu valor gradualmente até atingir os 600 euros em 2019.

Segundo a informação hoje divulgada, o volume de trabalhadores abrangidos pelo salário mínimo "manteve-se relativamente estável" ao longo do primeiro semestre deste ano, ao contrário do que aconteceu no primeiro semestre de 2016.

Neste período, verificaram-se também 566 mil novos contratos, uma subida de 9,7% em termos homólogos.

Destes novos contratos, 40,7% diziam respeito a uma remuneração base mensal igual ao salário mínimo, mais 3,2 pontos percentuais do que no mesmo período do ano passado, indica o executivo, referindo que a "proporção que se manteve estável ao longo do semestre".

No que toca ao peso dos trabalhadores abrangidos pela remuneração mínima na massa salarial, tem registado aumentos decrescentes, de acordo com a tutela, que fala numa média de 10,9% no primeiro semestre deste ano (11,5% no primeiro trimestre e 10,3% no segundo trimestre).

"Destaca-se igualmente o impacto positivo do aumento do salário mínimo nacional do ponto de vista da correção das assimetrias salariais: entre abril de 2016 e abril de 2017, o rácio entre as remunerações dos 10% de trabalhadores com remunerações mais elevadas e os 10% com remuneração mais baixas baixou de 6,32 para 5,96", enquanto "o rácio entre as remunerações dos 20% de trabalhadores com remunerações mais elevadas e os 20% com remuneração mais baixas diminuiu de 4,25 para 4,03", adianta a tutela.

Para isso, contribuiu a "elevação dos rendimentos dos trabalhadores com remunerações mais baixas", justifica.

Estes dados estão hoje a ser analisados numa reunião entre o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, com os parceiros sociais e económicos na Comissão Permanente da Concertação Social.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório