Meteorologia

  • 23 OUTUBRO 2017
Tempo
11º
MIN 7º MÁX 14º

Edição

Alunos de Bragança procuram soluções para problemas reais das empresas

O Instituto Politécnico de Bragança (IPB) vai envolver os alunos na procura de soluções inovadoras para problemas reais apresentados por empresas, no âmbito de um projeto que arranca hoje com cinco empresas e 25 alunos.

Alunos de Bragança procuram soluções para problemas reais das empresas
Notícias ao Minuto

06:35 - 12/10/17 por Lusa

Economia IPB

O responsável, Luís Pais, explicou à Lusa que o projeto assenta num modelo de inovação finlandês em expansão dentro e fora da Europa e que o politécnico de Bragança será a primeira instituição portuguesa a adotar a denominada Plataforma Demola, em representação do Norte de Portugal.

O lançamento da "Plataforma Demola North Portugal" será oficializado hoje numa cerimónia em que serão assinados os contratos com as cincos empresas para os quais os alunos, em articulação com professores e investigadores, vão estudar soluções para os problemas apresentados.

Equipas de cinco alunos de diferentes áreas do saber e níveis de ensino, desde os cursos profissionais aos mestrados, vão ao longo de três meses estudar as questões colocadas por cada uma das cinco entidades.

Luís Pais concretizou que se trata de soluções pedidas pela Câmara de Bragança para ajudar turistas que visitam a cidade, por uma empresa de segurança para apoio a idosos, por uma padaria que procura estratégias de venda no estrangeiro mantendo a frescura dos produtos e uma empresa de contabilidade que quer retirar papel dos procedimentos.

Os alunos vão ainda trabalhar em soluções para a medicação de idosos pedidas por uma empresa, a OldCare, que nasceu no gabinete de empreendedorismo do IPB e tem atualmente filiais no país.

Este modelo de cooperação tem como propósito "resolver problemas de empresas, dando aos alunos total liberdade para propor soluções".

Segundo Luís Pais "há três atores neste projeto: a empresa, o facilitador, papel desempenhado por um professor, e os alunos.

As equipas que vão trabalhar em cada pedido das empresas são compostas por cinco alunos de diferentes áreas e nacionalidades. Entre o total de 25 alunos envolvidos no arranque, 12 são portugueses e 13 estrangeiros.

Cada equipa, como explicou o responsável, "oferece uma solução para a empresa, que pode comprar a ideia, se encontrar utilização prática", não tendo as empresas outros custos.

O valor da venda "é para pagar aos alunos".

"É um projeto inovador que pretende resolver problemas reais das empresas, ao mesmo tempo que os alunos aprendem e ganham competências complementares à formação", indicou Luís Pais.

O responsável encara este projeto como "uma oportunidade para todos: para os estudantes que ganham competências conhecendo o mercado de trabalho" com a possibilidade de conseguirem emprego na própria empresa onde desenvolvem o projeto.

É também, continuou, "uma oportunidade para as empresas de pequena dimensão que não têm disponível capacidade de investigação e inovação para problemas reais e criação de novos produtos e serviços".

O politécnico encontra aqui também a oportunidade de, "sendo uma universidade de ciências aplicadas, desenvolver investigação e trabalhar em estreita colaboração com as empresas", como sublinhou Luís Pais.

HFI // LIL

Noticias Ao Minuto/Lusa

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório