Meteorologia

  • 15 DEZEMBRO 2017
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 15º

Edição

Défice melhorou 1,9 mil milhões até agosto. Caiu praticamente para metade

Os resultados orçamentais dos primeiros oito meses do ano foram muito melhores do que os do ano passado. O aumento da receita a um ritmo maior do que a despesa foi crucial.

Défice melhorou 1,9 mil milhões até agosto. Caiu praticamente para metade
Notícias ao Minuto

16:17 - 25/09/17 por Bruno Mourão

Economia Orçamento

O défice das contas públicas entre janeiro e agosto de 2017 foi praticamente metade do registado nos mesmos meses do ano passado. No relatório hoje divulgado pela Direção-Geral do Orçamento é possível verificar que as perdas do Estado português atingiram 2,034 mil milhões de euros, menos 1,901 mil milhões de euros face ao período homólogo.

A queda do défice dos primeiros oito meses do ano para praticamente metade foi conseguida graças a um aumento de 4,3% nas receitas, um crescimento muito mais significativo do que os 0,4% a mais do lado da despesa. "O excedente primário ascendeu a 3,734 mil milhões de euros, um aumento de 2,087 mil milhões de euros", revela ainda o Ministério das Finanças no resumo que acompanhou a divulgação da Execução Orçamental pela Direção-Geral do Orçamento [DGO].

"A continuação desta tendência de melhoria dá confiança no alcance dos objetivos orçamentais definidos para 2017 e permitirá acomodar o impacto de fatores que se traduzirão num abrandamento do ritmo de redução do défice no quarto trimestre. Em particular, do lado da despesa, o perfil do pagamento do subsídio de Natal, com 50% em novembro; e do lado da receita, a componente temporária do PERES [Programa Especial de Redução do Endividamento ao Estado] e o acerto de margens financeiras da União Europeia. No total, estes fatores representarão cerca de 1,5 mil milhões de euros", explica ainda o ministério liderado por Mário Centeno.

No que toca aos impostos, os oito primeiros meses de 2017 trouxeram um aumento de 6% nas receitas fiscais, o dobro do previsto no Orçamento do Estado. A variação acima do previsto foi conseguida graças à maior atividade económica, que rendeu 7,2% mais em IVA e 24,7% mais em IRC. As contribuições para a Segurança Social aumentaram 6,2% e as retenções na fonte de IRS cresceram 4,2%.

"A despesa primária das Administrações Públicas apresentou uma estabilização face a 2016, em parte resultado do perfil do pagamento do subsídio de Natal nos salários e pensões. Destaca-se o acréscimo de 29,4% no investimento (excluindo Parcerias Público-Privadas). Em 2017, continua a forte aposta no setor da Saúde. A despesa do Serviço Nacional de Saúde cresceu 4,8%, sendo superior à soma das taxas de crescimento da despesa dos últimos dois anos."

O resumo do Ministério das Finanças destaca ainda a queda na dívida não financeira - redução de 328 milhões de euros - ainda que os pagamentos em atraso tenham aumentado em cerca de 14 milhões de euros.

[Notícia atualizada às 16h55]

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório