Meteorologia

  • 22 SETEMBRO 2017
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 16º

Edição

Bloco não negociará tendo em conta as agências de rating

A coordenadora do BE, Catarina Martins, assegurou hoje que o partido não fará as negociações do Orçamento do Estado tendo em conta as posições das agências de 'rating', mas sim para prosseguir um "trabalho equilibrado de recuperação de rendimentos".

Bloco não negociará tendo em conta as agências de rating
Notícias ao Minuto

11:56 - 16/09/17 por Lusa

Economia OE2018

Durante uma ação de pré-campanha no mercado de Tires, concelho de Cascais, Catarina Martins foi de novo questionada sobre a decisão da subida do 'rating' de Portugal por parte da Standard and Poor's (S&P), conhecida na sexta-feira.

"As agências de 'rating' são um instrumento especulativo e portanto nós não faremos as negociações do OE2018 tendo em conta o que dizem as agências de 'rating', mas sim tendo em conta prosseguir um trabalho equilibrado de recuperação de rendimentos de salários, pensões, proteção dos serviços públicos, combate à precariedade porque é só isso que poderá dar crescimento económico", respondeu.

Para a líder do BE, não se pode "medir o que o país pode ou não fazer pelas agências de rating".

Sobre se o BE vai levar o argumento do alívio em relação à dívida pública resultante desta saída do "lixo" para a mesa das negociações orçamentais, Catarina Martins considerou que "todos os alívios são conjunturalmente importantes", mas o problema "é estrutural e tem que ser resolvido".

"Nós continuamos a ver os níveis da dívida pública muito elevados e sabemos que não as agências que vão resolver esse problema do dia para a noite", referiu.

Catarina Martins reiterou a posição que já tinha avançado na sexta-feira, numa primeira posição sobre esta subida de 'rating'.

"É bom ler o relatório das agencias de rating com atenção até porque têm sempre dado os conselhos errados ao nosso país e é por nós termos feito o contrário que a economia começou a reagir e hoje é considerada inevitavelmente mais forte", explicou.

Sobre o aviso do primeiro-ministro, António Costa, que em entrevista ao DN defendeu que todos estão cientes que é preciso "continuar a ter rigor nas contas públicas", a líder bloquista foi perentória: "o rigor para o BE não é um problema, nunca foi. Nós queremos rigor nas contas públicas".

"Falta de rigor foi o que fez a direita quando fez cortes temporários e queriam que eles fossem permanentes, foram PPP´s, foram privatizações a preço de saldo", criticou.

Para Catarina Martins, rigor nas contas públicas "será uma recuperação de rendimentos do trabalho, orçamentar os serviços públicos com as verbas que precisam ou combater os contratos as energéticas".

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório