Meteorologia

  • 28 SETEMBRO 2021
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 23º

Edição

Empresas têm que ajudar a combater desemprego

O primeiro-ministro afirmou hoje, em Bruxelas, que não é por falta de financiamento que programas como o Impulso Jovem estão “aquém das expectativas”, considerando que é necessário que haja interesse das empresas em adotá-los.

Empresas têm que ajudar a combater desemprego

“Não é por falta de financiamento que os programas como o Impulso Jovem estão aquém daquelas que eram as nossas expectativas. Nós temos financiamento para eles”, assegurou Pedro Passos Coelho, em resposta aos jornalistas, no final do Conselho Europeu.

O primeiro-ministro defendeu que o que é necessário é que as empresas vejam "interesse nestes programas” para poderem adotá-los.

O interesse das empresas, defendeu Passos Coelho, depende de dois fatores: da existência de uma “melhor perspetiva de financiamento” e da confiança nos “resultados da política económica e, portanto, na recuperação da economia”.

Na quinta-feira, no primeiro dia do Conselho Europeu, os chefes de Estado e de Governo da União Europeia (UE) decidiram antecipar para 2014 e 2015 os seis mil milhões de euros destinados a iniciativas de combate o desemprego jovem, inicialmente previstos para o período 2014-2020.

Este valor poderá, no entanto, ser aumentado, podendo ascender a oito mil milhões de euros, em resultado da “flexibilidade” acordada na quinta-feira entre a Comissão Europeia, o Parlamento Europeu e o Conselho Europeu, no âmbito do acordo sobre o orçamento comunitário para o período 2014-2020, como explicou o presidente do executivo comunitário, Durão Barroso.

Na prática, esta flexibilidade consiste na possibilidade de poder canalizar para as iniciativas destinadas à criação de emprego para os jovens verbas do orçamento comunitário que não foram utilizadas.

O primeiro-ministro português saudou a possibilidade de os seis mil milhões de euros poderem ser usados em 2014 e 2015, os dois primeiros anos de execução do orçamento comunitário plurianual (2014-2020).

“Julgamos que esta possibilidade trará para Portugal uma aceleração destas políticas destinadas a implementar a garantia jovem e, evidentemente, não resolvendo o problema do desemprego, criará uma expectativa positiva sobre todos os jovens que hoje são tremendamente afetados pelo desemprego”, concluiu.

A garantia jovem é uma iniciativa que pretende assegurar que os jovens até aos 25 anos que estão desempregados há quatro meses tenham acesso a um trabalho, a um estágio ou a um programa de formação.

Em Portugal, a taxa de desemprego jovem situou-se nos 42,5% em abril, um nível recorde, segundo os últimos dados do Eurostat.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório